“Sofri pressão de Audifax e Vidigal para não ser candidato”

0
Jaisa Miranda, presidente do PRTB,  Márcia do Dim Dom, vice da chapa, Gideão Svensson, pré-candidato a prefeito e o sindicalista Oswaldino Marinho. Foto: Joatan Alves
Jaisa Miranda, presidente do PRTB, Márcia do Dim Dom, vice da chapa, Gideão Svensson, pré-candidato a prefeito e o sindicalista Oswaldino Marinho. Foto: Joatan Alves

Yuri Scardini

Uma das surpresas do fechamento das coligações que se encerrou no último dia 08, foi a candidatura à prefeito do vereador Gideão Svensson, que ainda é vista como uma incógnita no meio político. Um dos principais fatores que viabilizaram a campanha do parlamentar foi à junção com o PRTB, do sindicalista Oswaldino Luiz Marinho.

“Foi fundamental o apoio do PRTB, conseguimos chegar a um consenso e fechamos a parceria. Agradeço muito ao Oswaldino e a direção do PRTB. Fui muito bem recebido no partido, à equipe acredita na vitória. Podemos sonhar com uma mudança de paradigma na politica”, disse Gideão.

Oswaldino faz coro a Gideão e diz que irá trabalhar na campanha do parlamentar. “Tive total liberdade da executiva estadual para negociar apoio aqui na Serra. Tenho convicção que seria uma batalha dura, mas eu não passaria vergonha. Porém, sempre fui simpático ao nome de Gideão e depois de várias conversas, chegamos a um ponto comum. Quero o melhor para o nosso município”.

Gideão diz ainda que sofreu pressões para não ser candidato, e que ficou em isolamento político. “Muitos duvidavam da nossa candidatura, mas está consolidada. Eu sabia das dificuldades de montar um partido, foi uma queda de braço muito grande. Sofri pressão de Audifax e Vidigal para não ser candidato ”.

Sobre o apoio do senador Magno Malta (PR), Gideão é enfático em dizer que Magno estará em seu palanque. “Essa é uma grande dúvida do meio político, se o senador daria respaldo à minha candidatura, mas Magno sempre foi transparente comigo, me confiou o partido. Ele irá caminhar conosco, ficou feliz com nossa decisão e estará no meu palanque. Será fundamental, pois em sua eleição para senador, ele teve mais de 200.000 votos só aqui na serra”, avalia Gideão.

Comentários