26.6 C
Serra
quinta-feira, 26 de novembro de 2020

Morador gasta boa parte do salário com remédio

Leia também

Em 24 horas, Serra registra 301 novos casos e mais dois moradores mortos pela Covid-19

A Serra ultrapassou a triste e preocupante marca de 23.600 casos de coronavírus. De acordo com a última atualização...

Eleição 2020 | Mais de 2.500 agentes farão segurança nas cidades que terão segundo turno

Mais de 2.500 agentes da Segurança Pública irão trabalhar para garantir o andamento do segundo turno das Eleições 2020...

Comandada pela Prefeitura, Guarda entra em confronto com coletores de lixo em greve | Veja vídeo

A tarde da última quarta-feira (25) foi de muita tensão na base da Corpus, em Vila Nova de Colares....
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Neuza Diniz, de Jardim Tropical, diz que fica apertado pagar as contas. Foto: Fábio Barcelos

Manter as contas de casa não é barato. Fazer isso com saúde é ainda mais difícil. E para quem depende de algum medicamento, a conta na farmácia pode ser maior que as compras do mês. Na casa de alguns serranos, o gasto com remédios pode corresponder a 40% do que ganha ou 1/3 dos custos de uma família.

A moradora Neuza Diniz, de Jardim Tropical, toma medicamentos para pressão e coração e seu gasto mensal é 40% do que ganha. “Gasto uns R$ 600 por mês e ganho 1,5 salário mínimo. Isso porque consigo alguns remédios de graça. Fica apertado para pagar as contas”, reclama.

A fotógrafa Danielle Lopes de Lima, de Morada de Laranjeiras, relata que o gasto com medicamento frequente já chegou a 1/3 dos gastos da família. “Já chegamos a gastar cerca de R$ 1 mil por mês, cerca de 1/3 do orçamento de casa, com medicação para meus dois meninos; mas no momento só o do meio faz uso de medicação contínua e gastamos cerca de R$ 350. E quando minha filha tem crise de asma, são mais R$ 50, pois mesmo sendo distribuído gratuitamente é difícil achar. E se há outras necessidades, como dor muscular, de cabeça, febre, o gasto aumenta ainda mais”, detalha.

A aposentada Doracy Pessimilio, de Nova Almeida, recebe um salário e gasta pelo menos 25% só com os medicamentos que precisa. “Uso cinco colírios por causa do glaucoma, que deve dar uns R$ 230, e ainda tomo remédio de pressão e de tireoide, que gasto uns R$ 30 por mês. Fora quando dá uma gripe, uma dor ou outro problema que preciso gastar mais. Os remédios ficam tão caros que parei de tomar dois por minha conta, que eram para repor cálcio, pois custavam mais de R$100,00 cada”, explica.

Pesquisa de 2015 do IBGE, aponta que famílias brasileiras gastaram 8 vezes mais para comprar remédios do que o Governo.

Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!