26 C
Serra
segunda-feira, 06 de abril de 2020

Serra fará audiência pública para obra de engorda de praias

Leia também

Serra tem mais dois casos de coronavírus e doença cresce 7% em um dia no ES

A Serra tem mais dois casos confirmados do novo coronavírus, saltando de 31 para 33 o número de pacientes...

Casagrande nomeia Alexandre Ofranti para a Secretaria de Segurança

O coronel da Polícia Militar do Espírito Santo (PM-ES), Alexandre Ofranti Ramalho, assume nesta terça-feira (7) o posto de...

Serra registra 2 mil moradores infectados por dengue e intensifica combate

Com risco de ter um novo surto de dengue neste ano, a Serra já registrou 2.402 casos da doença...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Surfistas chegaram a fazer abaixo assinado contra a medida. Foto: Fábio Barcelos

No próximo dia 2 de abril, um sábado, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente da Serra (Semma) fará audiência pública para apresentar o projeto e os impactos ambientais da engorda das areias das praias do município. A engorda, que na prática significa tirar areia de alguns pontos onde ela é abundante para por onde tem pouco, foi anunciada no ano passado sob a justificativa de ser necessária para conter a erosão em alguns pontos do litoral serrano.

Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, a audiência será às 18h30 na Escola Municipal Leonel de Moura Brizola, rua Carijós, Bairro das Laranjeiras, localizado na Grande Jacaraípe. A assessoria disse que a audiência tem “caráter informativo e consultivo”. As intervenções estão previstas para começarem em abril ao custo de R$ 1,5 milhão.

De acordo com a Semma, oito trechos de praia em cinco balneários – Manguinhos, Jacaraípe, Costa Bela, Marbella e Nova Almeida receberão mais areia.

Desde que foi anunciada, a engorda tem sido objeto de polêmica. Ativistas e surfistas da orla defendem que esse tipo de intervenção é só em casos extremos, argumentando que a recuperação de restinga é o bastante para os locais onde a Prefeitura pretende fazer a engorda.

Consideram que essa intervenção irá gerar impactos ambientais negativos, prejudicar o surf e tornar as praias mais fundas e perigosas para banhistas. Lembram, ainda, que a Prefeitura fez ‘poda’ em restinga recentemente, o que, na prática, acabou degradando essa vegetação nativa que cresce sobre a areia da praia e expondo ainda mais a costa à erosão. Os ativistas e surfistas chegaram a fazer um protesto em 27 de outubro de 2019 na praia do Barrote e até abaixo-assinado contra a engorda.

Comentários

Mais notícias

Casagrande nomeia Alexandre Ofranti para a Secretaria de Segurança

O coronel da Polícia Militar do Espírito Santo (PM-ES), Alexandre Ofranti Ramalho, assume nesta terça-feira (7) o posto de secretário de Segurança Pública. Ramalho substitui...

Serra registra 2 mil moradores infectados por dengue e intensifica combate

Com risco de ter um novo surto de dengue neste ano, a Serra já registrou 2.402 casos da doença somente em 2020. Felizmente, sem...

Em meio à pandemia, EDP vai deixar bairros da Serra sem energia

A pandemia gerada pelo novo coronavírus não está impedindo que a EDP Espírito Santo suspenda energia de bairros da Serra. Durante esta semana, muitas...

Número de pacientes curados do coronavírus sobe para 38 no ES

Dos 194 casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, 38 pacientes já estão curados da doença. A afirmação é da Secretaria de Estado da...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem