27.7 C
Serra
sábado, 28 maio - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Saiba mais sobre o lúpus, uma doença autoimune que atinge diferentes órgãos do corpo

Leia também

Campanha de segurança de trânsito alcança 3 mil serranos

Desde o inicio deste mês, o Departamento Operacional de Trânsito (DOT), tendo em vista a campanha de conscientização de...

Polícia prende suspeitos de roubar carro com bebê e criança na frente de creche na Serra

A Policia Civil, por meio da Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veiculos, prendeu em flagrante um dos...

Lei torna hediondo crime praticado contra menores de 14 anos

O Presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei 14.344/2022 que cria mecanismos para a prevenção e o enfrentamento da violência...
Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Lúpus é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune. Foto: Divulgação

Lúpus é uma doença inflamatória crônica de origem autoimune, ou seja, o próprio organismo do paciente começa a produzir anticorpos e células que atacam o corpo. Para conscientizar a população, o Dia Mundial do Lúpus, celebrado em 10 de maio, relembra a importância de conhecer melhor os sintomas e tratamentos disponíveis para essa doença.

De acordo com estimativas da Sociedade Brasileira de Reumatologia, o Brasil tem cerca de 65 mil pessoas com lúpus. A proporção é de que atualmente os sintomas atingem uma em cada 1.700 mulheres no país. O reumatologista da Unimed Vitória Luiz Fellipe Genelhu explica que os sintomas podem variar de acordo com a fase e gravidade da doença: os principais são as dores e inchaço nas articulações, manchas vermelhas na pele, inflamação das membranas dos pulmões e coração, inflamação dos rins, febre, cansaço e fadiga.

A origem da doença não é totalmente conhecida, mas pode ser desencadeada por fatores genéticos, ambientais e hormonais. Existem quatros tipos diferentes de lúpus: eritematoso sistêmico, caracterizado por inflamações e manchas na pele exposta ao sol; discoide ou cutâneo, que atinge apenas a pele e não envolve outros órgãos; lúpus induzido por medicamentos como hidralazina, procainamida ou isoniazida, que provocam uma inflamação temporária e, após terminar o uso do medicamento, normalmente os sintomas desaparecem; neonatal, que pode acometer bebês que nascem de mulheres com lúpus.

O especialista explica que o diagnóstico é baseado na história e sintomas do paciente. Alguns exames laboratoriais, como o fator antinúcleo (FAN) ou anticorpos antinúcleo (ANA), que rastreiam a presença de autoanticorpos em casos de suspeita de doenças autoimunes, auxiliam no diagnóstico, mas não existe um exame 100% específico para o lúpus. O tratamento é feito com anti-inflamatórios, corticoides e imunossupressores. É importante lembrar que não é uma condição contagiosa.

Segundo o reumatologista, não é possível prevenir o lúpus devido à impossibilidade de interferir na suscetibilidade genética do indivíduo. Apesar de não ter cura, os tratamentos ajudam a aliviar os sintomas e melhoraram a qualidade de vida. “As mulheres são mais afetadas que os homens, além disso a doença é mais comum em mestiços e afroascendentes.”

Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!