21.6 C
Serra
quinta-feira, 04 de junho de 2020

Queda na produção da Vale pode desempregar 65 mil em Minas Gerais 

Leia também

Para conviver com filhos, pais separados devem se adaptar na quarentena

Este artigo não remete necessariamente a opinião do Portal Tempo Novo, mas sim do advogado Leandro Sarnáglia. Desde o início...

Serra vai acolher idosos positivos para Covid-19 em hotel durante quarentena

A Prefeitura da Serra oferece uma nova modalidade de acolhimento no município para idosos e pessoas com deficiência. O...

Em live, prefeito da Serra e do Macapá discutem gestão e pandemia nesta quarta

Os prefeitos Audifax Barcelos (Rede), da Serra, e Clecio Luiz, do Macapá, realizam live nesta quarta-feira (3) para discutir...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Aqui no estado, os efeitos do declínio já se fizeram sentir. Na Serra, a ArcelorMittal Tubarão, principal cliente da Vale, disse não ter sido afetada; porém, não esconde a preocupação ao declarar que espera que a Vale priorize seus parceiros locais.. Foto: Divulgação

Sessenta e cinco mil. Este é o número de pessoas que podem ficar desempregadas somente em Minas Gerais por conta da paralisação de parte das atividades da Vale após rompimento da barragem de Brumadinho, em janeiro, e de outras espalhadas por diversas regiões mineiras e que estão em risco de estourar.

É o que aponta estudo realizado pela Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (Amig), divulgado esta semana. O documento, que considerou postos de trabalho diretos e indiretos, não menciona quantos empregos podem ser perdidos no Espírito Santo e na Serra com o declínio da produção da mineradora.

Aqui no estado, os efeitos do declínio já se fizeram sentir. A metalúrgica CBF, em João Neiva, chegou a parar em fevereiro por falta de minério. Na Serra, a ArcelorMittal Tubarão, principal cliente da Vale, disse não ter sido afetada; porém, não esconde a preocupação ao declarar que espera que a Vale priorize seus parceiros locais.

Na tarde de quinta-feira (28), a revista Infomoney atualizou alguns dados referentes à paralisação da Vale que teriam sido divulgados pela própria mineradora em teleconferência conduzida pelo diretor-executivo de Finanças e Relações com Investidores, Luciano Siani. De acordo com as informações, a produção da empresa no ano de 2019 deve cair quase 25% do previsto, que é de 400 milhões de toneladas.

No momento, a empresa paralisou, por iniciativa própria e judicialmente, atividades com capacidade de produzir 93 mi ton/ano. A estimativa da mineradora, ainda segundo a Infomoney, é de que a redução na produção de 2019 seja de 75 mi ton/ano e, num cenário otimista, com a retomada da Mina de Brucutu, de 50 mi ton/ano.

Comentários

Mais notícias

Serra vai acolher idosos positivos para Covid-19 em hotel durante quarentena

A Prefeitura da Serra oferece uma nova modalidade de acolhimento no município para idosos e pessoas com deficiência. O Hotel Praia Sol, localizado em...

Em live, prefeito da Serra e do Macapá discutem gestão e pandemia nesta quarta

Os prefeitos Audifax Barcelos (Rede), da Serra, e Clecio Luiz, do Macapá, realizam live nesta quarta-feira (3) para discutir temas referentes à pandemia do...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!