24 C
Serra
domingo, 17 de novembro de 2019

Projeto ‘Tô na Rua’ leva arte a centenas de jovens todos os sábados em praça de Jacaraípe

Leia também

Óleo já está em Nova Almeida e Jacaraípe e ameaça também água de serranos

Aconteceu. O petróleo que contamina há mais de dois meses a costa do Nordeste chegou às praias da Serra....

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

As rodas culturais acontecem na Praça Encontro das Águas e também em outros espaços de bairros da região. Foto: Divulgação

Um movimento tem feito da Praça Encontro das Águas, em Jacaraípe, uma roda cultural, que reúne centenas de jovens aos sábados, num dos pontos turísticos mais visitados da Serra.

O projeto ‘Tô na Rua’ promove roda cultural no local, com batalhas de MC’s, batalhas de passinhos e leva grafiteiros que fazem a arte ao vivo enquanto dura o evento, que rola das 19 às 22 horas e reúne uma média de 100 pessoas a cada encontro.

O ‘Tô na Rua’ está inserido nas comunidades que formam a Grande Jacaraípe desde  2011 quando a iniciativa ainda era uma roda de breaking, mas está tomando corpo e força há cerca de quatro anos.

Quem conta é o Bboy Charlles Matias, popularmente conhecido como Chacal.  Morador do Parque Jacaraípe, Chacal já morou em outros bairros da região e conhece a realidade das comunidades de perto. “Quando iniciei o projeto era tapete nas costas e caixinha de som, juntar a galera e mandar ver. Hoje, nós estamos organizados, fazemos o uso do espaço público, todo dentro da lei, com autorização do poder público e da Polícia Militar”, destaca.

Chacal conta que conheceu uma galera em meados de 2014 que fazia rimas no balneário e  com a junção dos artistas surgiu o projeto que hoje toma conta da Encontro das Águas. “Me juntei com o pessoal da Batalha da Orla e começamos a ocupar não somente a Praça Encontro das Águas, mas também de outros bairros de Jacaraípe. Hoje, atuamos na Encontro das Águas aos sábados e em outras praças de forma itinerante nas quartas-feiras, divulgamos esta agenda sempre em nossas redes sociais e conseguimos reunir a galera. Nestes locais, acontecem a Batalha da Resistência que já não é mais fixa e acontece esporadicamente. Tem ainda a Batalha dos Crias”.

O Bboy conta ainda que além das rodas culturais com atividades de danças, rimas e poesias tem também rodas de debates e trocas de informações e conhecimentos. “Também fazemos eventos especiais, como a Batalha Nacional de Mc’s e o OFC que promoveremos em outubro”.

A roda cultural, segundo Chacal é uma ferramenta de inclusão social, e uma forma de valorizar a comunidade e a periferia, levando arte e poesia para quem não tem acesso as ferramentas. “A intenção é resgatar os jovens do vínculo com as drogas e com a criminalidade. Com nossas rodas de cultura já temos catalogados mais de 150 artistas de Jacaraípe, meninas e meninos que hoje escrevem suas próprias letras, seus funks, seus rap’s e inclusive gravam canções em estúdio e tocam em eventos em suas regiões. Por esse víeis sócio educativo, a gente consegue mostrar que eles podem e que conseguem se destacar no seu meio. O hip hop é o que chama atenção e nós aproveitamos para tentar mudar o que tem de ‘errado’ com aquele indivíduo”.

Charlles Matias, o Chacal, além de Bboy, trabalha na área sócio educativa e também já fez aulas de balé, dança contemporânea, jazz e street dance para se aprimorar.

Preconceito

O rapper conta que a cultura Hip Hop e suas vertentes sofrem com preconceito e discriminação e que o trabalho para desmontar esses sentimentos é grande, mas que tem dado certo. “Nós aprendemos a usar a linguagem certa, temos nossas gírias sim! Mas mudamos muito nosso jeito de falar. Um exemplo é a própria polícia. Antes a abordagem era truculenta, hoje o policiamento já tem uma abordagem padrão e de respeito”.

O projeto ‘Tô na Rua’ é organizador por cinco pessoas. Foto: Divulgação

Os meninos e meninas que participam das rodas culturais promovidos pelo Tô na Rua, enquanto estão no evento a palavra de ordem é não usar drogas ilícitas ou ingerir bebidas alcoólicas. “Temos contato com a maioria dos pais dos meninos. Muitos até participam dos eventos”.

Toda a organização é feita com recursos próprios, advindos de rifas ou da ajuda de comerciantes locais.

O projeto Tô na Rua é organizado por Iago Gatti Macedo (vulgo Frenético), Charlles Matias (vulgo Chacal), Wallace Alves, Wesley Lomar (vulgo Lomar) e Marcos Phelip (vulgo Boby).

Comentários

Mais notícias

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de café, seu consumo diário de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro na água  e a alta...

Chuva alaga Vale e eleva risco de vazamento de rejeitos em Tubarão

Localizada na divisa entre Serra e Vitória, a planta industrial de Tubarão da Vale também não escapou dos alagamentos que atingem o ES por...

Fortes chuvas deixam 72 pessoas desalojadas no ES

Apesar de não ter causado grandes estragos na Serra, as fortes chuvas que estão caindo no Espírito Santo desde a madrugada da última quarta-feira...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!