23.2 C
Serra
sábado, 06 de junho de 2020

Prefeitura usa terreno para pagar dívida

Leia também

Erosão do mar em Manguinhos segue se agravando e danifica propriedades

Está se agravando o problema da erosão no trecho entre o Recanto dos Profetas e o Vagão na orla...

‘Juro Zero’ já liberou quase R$ 5 milhões para empreendedores no ES, diz Xambinho

A Aderes, órgão responsável por fazer o cadastro dos interessados no empréstimo sem juros, já identificou 6.724 comerciantes aptos...

Mudanças no primeiro escalão da Prefeitura da Serra

Dois secretários municipais, Luciana Malini e Jolhiomar Massariol, foram remanejados entre secretarias da Mulher e da Coordenadoria de Governo...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

mnaguinhos edi
Vista do Balneário de Manguinhos: na região e no entorno estão alguns do terrenos que serão utilizados para a quitação de dívidas públicas contraídas pela administração. Foto: Edson Reis

Por Conceição Nascimento 

Causou burburinho na Câmara da Serra o Projeto de Lei 306/2015, assinado pelo prefeito Audifax Barcelos (Rede), que estabelece um pacote de medidas com o objetivo de enxugar a máquina e conter gastos da administração municipal. A proposta prevê a redução do salário do prefeito, do vice-prefeito e de secretários municipais; exoneração de 50 servidores comissionados e 300 estagiários, redução da jornada de trabalho e dos vencimentos e subsídios e até usar terreno público para pagar dívidas.

O projeto foi aprovado em sessão extraordinária na tarde desta quinta-feira (29). A economia nos próximos 12 meses, segundo a assessoria do prefeito, será superior a R$ 26 milhões com a efetivação dos cortes.

Segundo a proposta aprovada, o salário do prefeito, Audifax Barcelos e da vice-prefeita, Lourência Riani (PT), sofrerão corte de 20%. Com isso, os vencimentos passariam de R$ 15.752,45 para R$ 12.601,96; e de R$ 12.601,96 para R$ 10.081,56, respectivamente. Secretários municipais deixariam de receber R$ 10.027,53 para R$ 8.774,08 mensais. O corte neste caso é de 12.5%, mesmo percentual para os cargos comissionados, com redução de 1 hora de trabalho por dia.

Segundo a proposta, a prefeitura ficaria autorizada a fazer a transferência de 34 imóveis para o Instituto de Previdência dos Servidores (IPS), a título de pagamento de dívidas de repasses com a instituição. Os imóveis estão avaliados em R$ 61.890.200,36. Por meio de emendas, vereadores retiraram do pacote quatro lotes, que devem permanecer na municipalidade.

“Para quitar uma dívida que ele criou, está tirando terreno da comunidade por interesse público”, disse Nacib Haddad (PDT).

Para Gideão Svensson (PR) subsídios e vencimentos de cargos públicos não podem ser reduzidos. “Encerrar contratos de publicidade e as solenidades de ordens de serviços, e cancelar o empréstimos para fazer túneis na rotatória do Dório Silva”, propôs.

Já o vereador Aldair Xavier (PTB) explicou seu voto favorável. “Ninguém gosta de cortar na carne, mas às vezes a situação chega a um ponto que é necessário”, justificou.

 

 

 

Comentários

Mais notícias

‘Juro Zero’ já liberou quase R$ 5 milhões para empreendedores no ES, diz Xambinho

A Aderes, órgão responsável por fazer o cadastro dos interessados no empréstimo sem juros, já identificou 6.724 comerciantes aptos a receberem o empréstimo oferecido...

Mudanças no primeiro escalão da Prefeitura da Serra

Dois secretários municipais, Luciana Malini e Jolhiomar Massariol, foram remanejados entre secretarias da Mulher e da Coordenadoria de Governo nas últimas semanas. Luciana pediu...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!