28.7 C
Serra
sábado, 22 janeiro - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Praia da Serra é infestada por caramujos africanos e moradores temem doenças

Leia também

Serra terá dois novos pontos de testagem de Covid-19 | Confira

Diante do crescente número de casos positivos de Covid-19 registrados nos últimos dias, a procura por testes aumentou e...

Avanço explosivo da Ômicron adoece 1.550 pessoas na Serra em 24h

A circulação da variante Ômicron em território capixaba tem causado um aumento explosivo de novos casos da Covid-19 na...

Serra volta para risco moderado e pode sofrer restrições devido ao avanço da Covid-19

Devido ao aumento de casos de coronavírus e mortes causadas por complicações da Covid-19, a Serra voltou a ser...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br
Gabriel Almeida é jornalista do Tempo Novo há mais de sete anos. Atualmente, escreve para diversas editorias do jornal.

Foto: Divulgação

Uma infestação de caramujos africanos na região de Jacaraípe, na Serra, está trazendo preocupações para moradores, banhistas e turistas do balneário. O aumento da aparição dos moluscos começou a ser notado há cerca de uma semana. Na orla da praia, os animais começaram a sair da restinga e seguir em direção ao calçadão – muito frequentado por adultos, idosos e crianças.

O alerta sobre a presença dos caramujos foi feito pelo diretor do Instituto Brasileiro de Fauna e Flora (Ibraff), Claudiney Rocha. De acordo com ele, os moluscos liberam aproximadamente de 200 a 500 ovos de uma única vez, o que ocasiona numa infestação de grande porte em bairro do município.

“O caramujo africano impõe um grande desafio para ser eliminado; é um animal sem predador natural, que libera de 200 a 500 ovos de uma só vez e transmite doenças. Os vídeos foram feitos na orla de Jacaraípe, de onde eles estavam saindo em direção ao calçadão. Era uma grande quantidade e isso vem ocorrendo constantemente”, disse Claudiney.

Mas esta situação não ocorre somente nas praias. Outros bairros da Serra, principalmente na região de Jacaraípe, estão sofrendo com a presença dos moluscos. A principal preocupação ocorre pelo risco de o caramujo africado transmitir dois tipos de doença: a meningite eosinofílica e a estrongiloidíase.

O ser humano pode ser infectado quando ingerir a gosma que o caramujo libera quando está se deslizando. Este tipo de infecção ocorre, de forma comum, através do consumo de hortaliças não lavadas corretamente.

De acordo com a Prefeitura da Serra, à medida que é observada a presença de caramujos africanos, eles são recolhidos de acordo com o cronograma da Secretaria de Serviços já programado semanalmente. No entanto, se a população identificar grande quantidade de caramujos e acionar a Prefeitura, por meio dos seus canais oficiais, uma equipe é enviada o mais rápido possível para essa coleta.

O telefone para acionamento é o 3251-5879, das 07 às 12h e de 13 às 17h.

O que é o caramujo africano?

O molusco terrestre Achatina fulica, popularmente conhecido como Caramujo Gigante Africano, é uma espécie de caracol originária do Leste da África que foi introduzido em diferentes países dos cinco continentes. Atualmente é reconhecido como uma das piores espécies invasoras em todo o mundo, por causar impactos ambientais, econômicos e de saúde pública.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br
Gabriel Almeida é jornalista do Tempo Novo há mais de sete anos. Atualmente, escreve para diversas editorias do jornal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!