Pets também sofrem com calor e precisam de proteção | Portal Tempo Novo

Serra, 26 de Março de 2019

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Amar é o Bicho

por Ana Paula Bonelli

Serra, 21 de dezembro de 2018 às 9:30

Pets também sofrem com calor e precisam de proteção


 

Patrícia: troca de água frequente, passeio só com sol baixo ou a
noite, frutas e atenção aos sinais clínicos em dias de calor extremo. Foto: Arquivo TN

O verão chegou e com ele as altas temperaturas. E não são somente os humanos que sofrem com calor e o sol quente. Neste período de calorão os cuidados com os animais de estimação, sejam cães ou gatos, devem ser redobrados. Pequenas alterações na rotina podem garantir a saúde dos bichinhos.

Um dos cuidados que se deve ter é com o passeio diário dos cães. A médica veterinária Patrícia Ribeiro de Oliveira, da Climev Laranjeiras, dá a dica para evitar queimaduras nas patas dos animais. “De preferência sair com os animais antes das 10 horas e depois das 19 horas. Se o dono achar que está ainda muito quente, coloca o dorso da mão na calçada para sentir a temperatura que está o chão. As almofadinhas da pata são tão sensíveis quanto à pele desta parte do corpo humano. Não adianta usar somente o sapatinho. Ele ajuda a proteger, mas em determinado momento o próprio acessório fica quente”, explica.

A profissional frisa ainda que é necessário levar água durante o passeio para oferecer ao animal durante o trajeto. Em casa, lembrar de trocar a água pelo menos duas vezes ao dia. Se perceber que o animal está ofegante e com o nariz seco levar ao veterinário. “Ele pode estar com hipertemia. O médico irá avaliar o animal, a hipertemia pode levar a morte”, alerta Patrícia.

Ela também frisa que no calor, os animais comem em menor quantidade. “É normal. Mas é preciso observar se a quantidade que esta comendo não é assustadoramente menor. Tanto para cães quanto para gatos, pode oferecer frutas sem caroço, claras, que não sejam ácidas, melão, mamão (sem semente), melancia (sem semente e sem casca). Lembrando que é uma forma de suplementação de carboidrato e glicose, não é para dar em exagero também, tudo moderado”.

O proprietário também deve ficar de olho na quantidade de urina. “A tendência é diminuir a urina e pelo fato dessa diminuição pode se dispor a cálculo, cistite, e uma infinidade de doenças do trato urinário. Se perceber uma mudança muito brusca procure o veterinário”.

Deixar os animais em locais frescos. “Sol nem pensar, casinhas fechadas também não. Eles precisam de local com circulação de ar e amplo”.

Com relação a deixar os animais em ar condicionado, Patrícia faz uma ressalva. “Evitar isso, o ar condicionado resseca a mucosa oral e nasal. Para o bichinho que não está habituado, é melhor não colocar ele neste sistema agora. Pode causar problema respiratório. Para os que tem costume,  o ideal é umidificar o ambiente ou colocar uma bacia de água”, indica a veterinária.

Animais que gostam de banho, é liberado um por semana e manter, tanto cão, quantos gatos, de pelo longo tosados. “E nessa época nunca secar ao sol ou com ar quente de secador”, conclui.




O que você acha ?

Como você avalia os primeiros meses do governo Bolsonaro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Veja também

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por