22.3 C
Serra
quinta-feira, 28 de Maio de 2020

Para secretário, decreto de Bolsonaro trará mais assassinatos para a Serra

Leia também

Indústria cobra e Estado diz que está liberando crédito para empresas

Nesta quinta-feira (28) a Federação das Indústrias do Espírito Santo (Findes) divulgou carta aberta em que cobra o governo...

Queima de pneus todos os dias incomoda moradores de bairro da Serra

Na região de Feu Rosa e uma parte de Portal de Jacaraípe a reclamação é a fumaça gerada pela...

Covid-19 também provoca epidemia de desemprego na Serra

Locomotiva econômica e município de maior população do ES, a Serra é a cidade com mais demissões nesta pandemia...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Nylton Rodrigues criticou duramente decreto do presidente Bolsonaro. Foto: Divulgação

Yuri Scardini / Gabriel Almeida 

O novo decreto do Governo Bolsonaro que facilita o porte de armas para profissionais de diversas áreas, como caminhoneiros, advogados e políticos, pode aumentar o número de homicídios na Serra. O alerta é do secretário de Defesa Social da Serra, Nylton Rodrigues, que classificou a proposta de armar a população para combater a violência como “ineficaz” e “irrealista”.

Nylton se baseia em pesquisas e estudos científicos que, segundo ele, mostram que mais armas nas ruas aumentariam a violência e isso faria com que os índices de homicídios voltassem a crescer no município. “Uma pesquisa do Atlas da Violência de 2017 aponta que para cada 1% de aumento na disponibilidade de armas de fogo ocorre um incremento de 2% nas taxas de homicídio nas cidades brasileiras. Com o aumento de armas de fogos circulando nas ruas, a Serra pode sair dessa trajetória de redução de homicídios”, afirma.

Ele lembra que o município teve recuo de 40% nos índices de homicídios e que, pela primeira vez em 23 anos, não lidera os percentuais de mortes no Espírito Santo. Entretanto, essa tendência de queda pode estar em risco devido à facilitação de armas no Brasil. “O que pode acontecer com o novo decreto é retornar uma trajetória de aumento nos homicídios. Esse é o grande medo”, alerta.

Segundo o secretário, a maioria das armas que a Polícia apreende foi comprada legalmente e acabou no mercado negro. “60% das armas entraram legalmente e foram parar no mercado negro. São armas que as pessoas compram e são furtadas ou roubadas delas. O cidadão que anda armado vira alvo dos criminosos. Mais armas no mercado faz com que o preço no mercado negro também caia, tornando-as mais acessíveis para bandidos que antes não tinham condições de obtê-las”, disse.

O secretário critica a política de armar a população para contornar a violência. “Propostas que prometem extinguir a violência de forma instantânea, na verdade, mostram-se ineficazes, irrealistas e caras ao contribuinte”, afirma.

Mais armas nas ruas

O decreto de Bolsonaro assinado na última quarta-feira (08) também facilita o porte de armas para caçadores, colecionadores e atiradores. Além disso, profissionais como jornalistas, caminhoneiros, advogados e políticos – de presidente a vereador – terão o acesso facilitado para portar uma arma de fogo.

Com o decreto, Bolsonaro altera um dos requisitos do “Estatuto do Desarmamento” para obter direito a porte de arma. O trecho alterado é o que afirma que o interessado precisa comprovar “efetiva necessidade por exercício de atividade profissional de risco ou de ameaça à sua integridade física”.

Já o decreto afirma que a comprovação de efetiva necessidade será entendida como cumprida para as pessoas citadas no documento.

Comentários

Mais notícias

Queima de pneus todos os dias incomoda moradores de bairro da Serra

Na região de Feu Rosa e uma parte de Portal de Jacaraípe a reclamação é a fumaça gerada pela insistente queima de pneus que...

Covid-19 também provoca epidemia de desemprego na Serra

Locomotiva econômica e município de maior população do ES, a Serra é a cidade com mais demissões nesta pandemia de coronavírus. Em abril, 5.605...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!