27.3 C
Serra
terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Orçamento bilionário agora vai receber emendas de vereadores da Serra

Leia também

Emprego: Sine abre 101 vagas para início imediato na Serra

Os moradores da Serra que estão procurando uma oportunidade de emprego terão uma nova chance nesta quarta (11) e...

Polícia prende quatro homens por rombo de R$ 200 mil nos Correios

Na manhã desta quarta-feira (10) a Polícia Federal em parceria com a Polícia Militar identificou o possível esconderijo do...

Fortlev investe no mercado de energia solar

Líder nacional no mercado de caixas d’ água, inclusive com atuação até fora do país, a Fortlev acaba de...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Vereadores querem emendas obrigatórias no valor de R$ 12 milhões. Foto: Arquivo TN

Estimado em R$ 1,7 bilhão de despesa e receita, a Lei Orçamentária Anual de 2020 (LOA – PL nº 210/19) está tramitando na Câmara. Durante a sessão da última segunda-feira (25), o documento foi lido e, agora, abre-se o prazo de dez dias para que vereadores apresentem suas emendas parlamentares individuais. A LOA é considera um teste na relação institucional entre o prefeito Audifax Barcelos (Rede) e o poder Legislativo.

Ao menos dois gargalos precisam ser negociados para que haja consenso em torno do PL: a inclusão das emendas impositivas e o percentual de remanejamento orçamentário. De acordo com vereadores ouvidos pela reportagem, esses dois temas devem ser debatidos para que se chegue a um denominador comum antes de ir para votação em plenário.

As emendas impositivas são investimentos indicados pelos parlamentares os quais o prefeito é obrigado a cumprir. Há uma instabilidade jurídica em torno desse assunto. Isso porque, em setembro, os parlamentares fizeram uma manobra que alterou a Lei Orgânica Municipal (LOM) e instituiu as emendas impositivas no valor de R$ 12 milhões (cerca de R$ 500 mil por vereador). No entanto, em seguida, o prefeito baixo um decreto que suspendeu a medida.

Ocorre que os parlamentares, especialmente os de oposição – que controlam as principais comissões por onde a LOA tramita -, afirmam que um decreto não tem o poder para anular uma mudança na Lei Orgânica. Inclusive, durante a sessão da última quarta (27),os parlamentares aprovaram um requerimento que convoca o secretário de Finanças, Pedro Firme, e a de Planejamento, Lauriete Caneva, para comparecer à Câmara como objetivo de debater o tema.

“A Câmara reconhece que a alteração da Lei Orgânica foi válida, a emenda continua impositiva. O prefeito fez o decreto, mas um decreto não pode se sobrepor a uma alteração de Lei Orgânica”, explicou Basílio, que é presidente da Comissão de Finanças.

Para a reportagem, a Secretaria de Comunicação da Prefeitura confirmou que ambos os secretários irão ao Legislativo para conversar sobre as emendas impositivas.

“Negociação apertada”

No que tange ao percentual de remanejamento, o documento originalmente apresenta a possibilidade de mexidas orçamentárias equivalentes a 25% do orçamento, o que significaria, aproximadamente, R$ 375 milhões livres para remanejar sem necessidade de autorização legislativa.

Entretanto, vereadores começaram a negociar o percentual num patamar bem abaixo do que o prefeito enviou. Eles defendem que seja feito de 5 em 5%. Ou seja, para Audifax fazer suplementações orçamentárias entre secretarias e demais órgãos, seria necessário que ele continuamente enviasse pedidos para os vereadores aprovarem.

Um vereador da base, que não quis se identificar, disse que esse tema deve ser o principal ponto de negociação. “É ano de eleição (referindo-se a 2020), a oposição quer deixar o prefeito dependente deles para depois barganhar ações de visibilidade em suas comunidades. Eu acredito que podemos chegar em 15%, que seria um meio termo, mas certamente será uma negociação apertada”, disse o parlamentar.

Principais números

O valor Global do Orçamento é de R$ 1,7 bilhão, que inclui o Orçamento Fiscal e de Seguridade Social, a Câmara da Serra (R$ 37 milhões) e o Instituto de Previdência dos Servidores da Serra (IPS – R$ 190 milhões). Foram previstos R$ 189 milhões em empréstimos junto a Banco do Brasil e Caixa.

A secretaria que mais terá recursos do orçamento é a de Educação, com um valor estimado de R$ 377 milhões, seguido por Saúde (R$ 263 milhões) e Obras (R$ 203 milhões).

A previsão para investimentos é de R$ 178,98 milhões. Mas o montante será maior, quando somados os investimentos que já estão sendo executados na cidade, segundo informou a Prefeitura.

Comentários

Mais notícias

Polícia prende quatro homens por rombo de R$ 200 mil nos Correios

Na manhã desta quarta-feira (10) a Polícia Federal em parceria com a Polícia Militar identificou o possível esconderijo do grupo que estava assaltando agências...

Fortlev investe no mercado de energia solar

Líder nacional no mercado de caixas d’ água, inclusive com atuação até fora do país, a Fortlev acaba de entrar num outro negócio para...

WhatsaApp é principal fonte de informação do brasileiro, diz pesquisa

Uma pesquisa realizada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado mostrou o WhatsApp como principal fonte de informação dos entrevistados: 79% disseram receber notícias...

Caixa começa a pagar décimo terceiro do Bolsa Família | Veja quando receber

Os beneficiários do Bolsa Família começarão a receber nesta terça-feira (10) o abono natalino, equivalente ao décimo terceiro do benefício. Instituído pela Medida Provisória...

Você também pode ler

Conteúdo patrocinado

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!