25 C
Serra
quarta-feira, 02 de dezembro de 2020

Opinião do TN | Boiada de Bolsonaro/Salles vai invadir sua praia

Leia também

Serra poderá ganhar mais uma vaga na Assembleia Legislativa

O resultado da eleição 2020 impactou na composição da Assembleia Legislativa. E com as mudanças a Serra pode alcançar...

Habilitações vencidas em 2020 terão um ano a mais de validade

Está em vigor, a partir de hoje (1º), a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) que restabelece os prazos...

Matrículas abertas para novos alunos em creches da Serra

A pandemia causada pelo coronavírus fez com que todas as cidades brasileiras suspendessem as aulas presenciais. Mesmo assim, as...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Salles e Bolsonaro: país vive grave retrocesso na proteção à natureza. Foto: Antônio Cruz/Agência Brasil

Depois de ‘passar o rodo’ na Amazônia e no Pantanal, a boiada do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e do Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles chega à sua praia, serrano. É que está marcada para a manhã desta segunda-feira (28) a votação de medida que retira manguezais e restingas da condição de Áreas de Preservação Permanente (APP).

A medida, uma articulação de Salles, será apreciada pelo Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama). E as chances de passar são grandes. No início da gestão Bolsonaro o Conselho foi esvaziado com a redução de 96 para 23 cadeiras. Quem mais perdeu participação foi a sociedade civil e os estados, ficando o governo federal com a maioria das cadeiras.

O que está em jogo na Serra, são faixas de restinga que ainda restam em trechos dos 24km de orla entre Praia Mole e Nova Almeida. E os fragmentos de manguezais no rio Jacaraípe, no rio Reis Magos e nas pequenas porções formadas pelos riachos que deságuam em Manguinhos.

Manguezais são berços de caranguejos, siris, ostras e sururus. Muitas aves vivem ali. Mamíferos e répteis, também. Peixes marinhos adentram a segurança e fartura de suas águas para se reproduzirem. Duas espécies em especial, o robalo e a tainha. No ES, milhares de famílias dependem economicamente dos manguezais, na Serra inclusive, que possui até uma Associação de Catadores de Caranguejo em Jardim Carapina.

Na restinga, vegetação que cresce sobre a areia da praia, a riqueza biológica também é expressiva. A restinga é ainda responsável pela contenção da erosão marinha, ou seja, também presta um serviço econômico de alto valor a uma cidade que já tem a maior parte do seu litoral ocupado e precisa conter o avanço do mar. Sem contar o serviço de manter a temperatura mais baixa, purificar o ar e equilibrar o ciclo da água que qualquer formação vegetal natural faz.

Salles está cumprindo o que prometeu ao seu chefe Bolsonaro na reunião de 22 abril. Está aproveitando a pandemia para “ir passando a boiada” nas regras ambientais infralegais, que não dependem do congresso para serem alteradas.

Enquanto Bolsonaro mente na ONU dizendo que o Brasil é exemplo de preservação ambiental, o país se transforma numa ameaça global. E o ataque à natureza ganha dimensão inédita desde a Constituição de 1988 no momento em que uma onda calor em pleno início de primavera torra os miolos dos moradores das duas maiores cidades do país e chega ao ES esta semana.

Até agora Bolsonaro mostrou que tem dois projetos. Um é o de se manter no poder o máximo que puder. O outro é o de acabar com a proteção ambiental no Brasil. Tem sido bem sucedido em ambos.

Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Audifômetro: faltam 30 dias para o fim do governo Audifax na Serra
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!