24.6 C
Serra
domingo, 09 de agosto de 2020

Opinião | Flamengo deu aula de gestão, futebol foi consequência

Leia também

Está procurando emprego? Sine da Serra abre 79 vagas de trabalho nesta segunda

Quem está procurando uma oportunidade de trabalho deve ficar atento. A semana vai começar com 79 vagas abertas no...

“Não é uma gripezinha, é uma pandemia”, diz Contarato sobre 100 mil mortes por Covid-19

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) se manifestou sobre as 100 mil mortes causadas pelo coronavírus desde o início...

Brasil ultrapassa 100 mil mortes causadas pela Covid-19

O Brasil atingiu neste sábado (8) o número de 100 mil 477 mortes por Covid-19, desde o início da...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Membro da mesa diretora, o deputado Roberto Carlos diz que a economia é resultado de redução de gastos e redução de gastos e de cargos comissionados. Foto: Divulgação Ales
Roberto Carlos é o autor do artigo. Foto: Divulgação Ales

No livro do espanhol Ferran Soriano, ex vice-presidente do Barcelona, diz que a bola não entra por um acaso. Ele descreve como a gestão do clube catalão foi fundamental para torná-lo um clube vencedor. No Brasil, isso também vem se tornando uma realidade, já que alguns clubes de futebol apostam na boa gestão financeira e administrativa, para conseguirem contratar e qualificar os seus elencos.

Os dois times do Rio Grande do Sul (Grêmio e Internacional) já fazem isso há algum tempo. Um destaque importante é o Atlético Paranaense, que a cada ano vem se firmando como um clube competitivo. Mas o case de maior sucesso recente é o Flamengo, sendo que tudo começou com a gestão do Presidente Eduardo Bandeira de Mello, ex-funcionário de carreira do BNDES.

Bandeira e sua diretoria reduziram gradativamente as dívidas e os passivos trabalhistas, aumentaram a arrecadação e tiraram o Clube de uma situação de caos financeiro, que no passado ficou marcado pela célebre frase do ex-jogador Vampeta: O Flamengo finge que me paga e eu finjo que jogo.

Nota-se que a desorganização financeira do clube chegou dentro de campo da forma mais sórdida, o que gerava angústia aos jogadores e, consequentemente, ausência de títulos para o clube mais popular do Brasil. Os títulos da Libertadores e do Brasileirão de 2019 foram plantados na gestão de Bandeira, e esse ex-presidente tem o seu lugar na história do clube.

Dois fatos chamaram a atenção no título da Libertadores: o gesto de Gabigol ao ignorar o Governador Corintiano do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, fato que para muitos foi o terceiro gol do jogador dentro de campo; e o gol contra da atual diretoria em não convidar Bandeira de Mello para a festa do título e, inclusive, subir no trio elétrico para comemorar a vitória.

Mas fica a dica para os clubes que querem alcançar títulos importantes: sem gestão não tem solução.

Comentários

Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Mais notícias

“Não é uma gripezinha, é uma pandemia”, diz Contarato sobre 100 mil mortes por Covid-19

O senador capixaba Fabiano Contarato (Rede) se manifestou sobre as 100 mil mortes causadas pelo coronavírus desde o início da pandemia no Brasil. O...

Brasil ultrapassa 100 mil mortes causadas pela Covid-19

O Brasil atingiu neste sábado (8) o número de 100 mil 477 mortes por Covid-19, desde o início da pandemia do novo coronavírus. Nas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!