20.3 C
Serra
sábado, 06 de junho de 2020

Opinião – Erick Musso quebra ciclo histórico de submissão da Assembleia com o governador

Leia também

Mudanças no primeiro escalão da Prefeitura da Serra

Dois secretários municipais, Luciana Malini e Jolhiomar Massariol, foram remanejados entre secretarias da Mulher e da Coordenadoria de Governo...

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é o editor de política do Tempo Novo. Além de sua área, o jornalista, escreve para outras editorias do portal.

Erick Musso tem 32 anos. Foto: Divulgação

O deputado estadual Erick Musso (Republicanos), aos 32 anos, foi reconduzido à presidência da Assembleia Legislativa para o biênio 2021-2022. A estratégia de antecipar a votação (ocorrida na última quarta- 27) para impedir a interferência do Poder Executivo Estadual, mostrou-se eficaz, e o grupo liderado pelo deputado se estabeleceu de vez como um polo político a ser respeitado no ES.

Alguns analistas apontaram essa estratégia como “antidemocrática”. Mas, naturalmente, é uma decisão dos deputados. Antidemocrática na verdade é a interferência dos Poderes, invadindo espaços alheios para deformar e vulgarizar a divisão constitucional que rege a vida em sociedade.

Com a consolidação de Musso à frente do Poder Legislativo, abre-se um novo ciclo da relação entre os poderes constituídos no ES. Que conceitualmente, devem ser harmônicos, mas independentes. Vale frisar que há algum tempo, já é observado uma deturpação desse preceito, já que o histórico é do governador da vez ‘tomar conta’ da Assembleia.

Erick já deu sinais de sua responsabilidade à frente do Legislativo. Basta lembrar, por exemplo, da votação do Fundo Soberano, da qual o presidente atuou pessoalmente. Erick teve o apoio de mais de 2/3 da Assembleia, e isso, certamente só é possível pelo fato de ser o dosador democrático entre oposição e situação para impedir a radicalização ou a submissão.

Aliás, a divisão entre os Poderes, foi pensada exatamente com este objetivo, balancear e limitar as forças que governam, para evitar tendências ditatoriais com visões míopes e individuais da realidade. Inclusive, Casagrande deve estar satisfeito com isso, já que vem dos movimentos de base que lutaram pela redemocratização brasileira, da qual sempre se demonstrou reverência.

Na prática a Assembleia vive um novo ciclo, o da independência, mas de respeito institucional. Sob a ótica política, Erick também consolidou uma posição de grupo, equilibrou o hegemonismo.

Desde a saída do ex-governador Paulo Hartung (sem partido) do cenário político (pelo menos publicamente), houve um vácuo de poder no estado. Na prática o grupo do atual governador Renato Casagrande (PSB) nada de braçada. Eles tomaram conta dos principais postos de comando do Estado e atuam com força nos bastidores da eleição de 2020 mexendo no tabuleiro a bel prazer; e estabelecendo assim uma hegemonia de poder perigosa sob a perspectiva democrática e da pluralidade de ideias.

É justo destacar também que nos últimos anos, devido a forte polarização nacional (e mesmo na Serra com Audifax x Vidigal), entendeu-se política como uma guerra, o que na verdade, é ao inverso.

Guerra é o verdadeiro antônimo de política. Conflitos, especialmente bélicos, só são possíveis quando a política falha. E não parece ser o destino do ES. O grupo de Erick sinaliza que pode coexistir com Casagrande, inclusive fazer composição em várias cidades no pleito de 2020.

O ES segue bem posicionado: 1 – economicamente respira em meio à quebradeira de outras unidades da Federação. 2 – administrativamente, o governador tem segurança na relação institucional com a Assembleia, leia-se governabilidade. 3 – politicamente os grupos de envergadura eleitoral têm a possibilidade de coabitarem os mesmos espaços.

É uma realidade privilegiada, já que o país vive dias de instabilidade política, incertezas institucionais, ressurgimento de ideologias de porão e déficits fiscais.

Comentários

Mais notícias

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente do coronavírus. Isso porque já...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!