25.4 C
Serra
quarta-feira, 12 de agosto de 2020

Opinião TN: O plano de Bolsonaro para o meio ambiente

Leia também

Terceirizados da Vale fazem protesto e bloqueiam entrada da empresa em Carapina

Funcionários de empresas terceirizadas estão bloqueando a portaria da Vale, em Carapina, na manhã desta quarta-feira (12). A manifestação...

Com mais quatro moradores mortos em 24h, Serra já possui 450 óbitos por Covid-19

Após registrar uma diminuição no número de mortes diárias causadas pela Covid-19, a Serra teve um novo aumento: seis...

Quer emprego? Empresas abrem 140 vagas de trabalho nesta quarta na Serra

Quem está procurando uma oportunidade de trabalho deve ficar atento. Isso porque várias empresas abriram vagas de emprego nesta...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

O presidente Jair Bolsonaro e o Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Se tem uma frente em que o governo de Jair Bolsonaro (sem partido) está tendo sucesso é a do meio ambiente. Sim, você não leu errado. É que desde os tempos da campanha o ex-capitão do Exército nunca escondeu suas intenções em relação ao assunto. Dos 13 candidatos, foi o único a não apresentar propostas para a proteção da natureza.

Portanto, está sendo muito bem sucedido ao implantar a maior retrocesso sofrido pelo meio ambiente desde a redemocratização do país em 1985.  Vide a falta de resposta federal para o vazamento de óleo que atingiu a costa do Nordeste e Sudeste. As queimadas e desmatamentos recordes da Amazônia. O crescimento da devastação da mata Atlântica. A complacência com a epidemia de invasões a terras indígenas por garimpeiros, madeireiros e grileiros. A fragilização dolosa do Ibama. E ainda a recente e inócua operação do Exército sob o comando do vice-presidente Mourão para tentar conter a destruição da Amazônia. Isso para ficar em alguns exemplos.

Para executar seus planos para o meio ambiente, Bolsonaro escalou Ricardo Salles, aquele que o aconselhou a aproveitar a atenção da imprensa com a pandemia e “ir passando a boiada” nas regras de proteção à natureza.

Antes de virar ministro, Salles já era um condenado pela Justiça em 1ª instância por alterar ilegalmente o zoneamento de uma área de proteção ambiental em São Paulo no intuito de favorecer mineradoras quando era secretário de meio ambiente daquele estado.

O desmonte da gestão ambiental – que já vinha ocorrendo antes de Bolsonaro assumir – está tão grave no Brasil que tem levantado críticas até do agronegócio, notório gerador de passivos ambientais e que agora se vê pressionado pelo mercado internacional. Por conta do desmonte ambiental promovido por Bolsonaro, investidores ameaçam tirar recursos e compradores podem suspender negócios.

Não deixa de ser uma ironia, já que o presidente teve amplo apoio do agronegócio nas eleições ao prometer reduzir burocracia para desmatar, regularizar terras, acabar com a demarcação de novos territórios indígenas e frear criação de novas unidades de conservação.

Agora, pelo menos parte do agronegócio faz coro à comunidade internacional e ao Ministério Público Federal pedindo a cabeça de Salles e uma guindada na política ambiental do governo.  Será que nem mesmo o interesse financeiro vai conseguir frear a sanha do governo contra o meio ambiente?

Sobra para a Serra também

Tudo isso tem desdobramentos para a Serra. Se o agronegócio nacional perder mercado, haverá impacto nas operações logísticas do complexo de Tubarão, uma vez que o porto local opera também com produtos e insumos agrícolas do centro do país. Negócios instalados na cidade vendem e prestam serviço às operadoras de Tubarão.

Outra frente de desdobramento é a ambiental. Mais populosa e industrializada do ES e com crescimento urbano estratosférico em pouco mais de quatro décadas, a Serra tem enormes passivos ambientais, que estão se agravando e precisam ser revertidos em nome da saúde de cada pessoa que habita esse lugar. E, porque não, da economia.

Com um presidente explicitamente anti-meio ambiente, fica mais difícil esperar avanços na redução do pó preto e outros poluentes do ar. Na descontaminação de rios, praias e lagoas. Na preservação das florestas e áreas verdes ainda de pé. Na solução para o problema dos incêndios nas turfas. Na crescente escassez de água. No tráfico e consumo de animais silvestres, fonte de problemas como atual pandemia do novo coronavírus.

Comentários

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Mais notícias

Com mais quatro moradores mortos em 24h, Serra já possui 450 óbitos por Covid-19

Após registrar uma diminuição no número de mortes diárias causadas pela Covid-19, a Serra teve um novo aumento: seis moradores perderam a batalha contra...

Quer emprego? Empresas abrem 140 vagas de trabalho nesta quarta na Serra

Quem está procurando uma oportunidade de trabalho deve ficar atento. Isso porque várias empresas abriram vagas de emprego nesta quarta-feira (12). As oportunidades estão...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!