• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.690 casos
  • 967 mortes
  • 48.401 curados
24 C
Serra
terça-feira, 13 abril - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 50.690 casos
  • 967 mortes
  • 48.401 curados

O novo round

Leia também

CPI dos Maus-Tratos irá ouvir homem suspeito de golpear cadela com facão na Serra

O homem suspeito de dar golpes de facão na cabeça de uma cadela na Serra será ouvido pela CPI...

Em apenas 24 horas, Serra perde mais 11 moradores para o coronavírus e atinge 967 óbitos

Um dado estarrecedor do pico da pandemia causada pelo coronavírus – em maio de 2020– voltou a assombrar os...

Serra começa a vacinar policiais e guardas municipais contra o coronavírus nesta quarta

A Prefeitura da Serra, através da Secretaria de Saúde da Serra (Sesa), iniciará a vacinação dos trabalhadores da força...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Essa eleição, mais que uma eleição, é a continuidade de uma queda de braço entre o ex-prefeito Sérgio Vidigal (PDT) e o atual Audifax Barcelos (PSB). Rivalidade que começou em 2008, quando o PDT não deu legenda para Audifax disputar a reeleição, optando pelo nome de Vidigal.

Em 2010 Audifax ‘deu o troco’ a Vidigal sagrando-se o deputado federal mais votado na Serra, com 93 mil votos, e campeão de votos também no Estado com 161.856 votos, contra 49 mil votos dados à Sueli Vidigal (PDT) aqui na Serra e 141.578 no Estado. Audifax sentiu-se de alma lavada com o resultado, imputando ao casal Sérgio e Sueli Vidigal uma derrota moral.

Em 2012 a queda de braço continuou, desta vez em confronto direto entre os dois, com Audifax ganhando a prefeitura de Vidigal, com 131.245 votos (61,39%) contra 80.299 votos (37,56). Além de perder a eleição, Vidigal saiu muito desgastado da Prefeitura, sendo acusado pelo sucessor de ter deixado uma dívida de mais de 200 milhões de reais.

Indireta

Agora é mais um round dessa queda de braço; não é um confronto direto porque Audifax não é candidato e nem tem sua esposa também disputando cargos, a queda de braço é indireta. É Vidigal disputando a eleição de deputado federal contra Vandinho Leite (PSB) e Manato (SDD), que têm o apoio de Audifax.

Vidigal desponta com a possibilidade de ser o mais votado. Para o ego dele é muito bom, mas não dá para cantar muito de galo, não. Afinal, a vitória não é sobre Audifax, é sobre dois prepostos que não carregam o mesmo DNA e nem dividem o cobertor com ele.

Esse resultado remete para mais uma queda de braço a ser realizada na eleição municipal de 2016. Audifax certamente será um dos protagonistas, disputando a reeleição; quanto à Vidigal, de acordo com pessoas do seu circulo de relacionamento, não deverá disputar a eleição, mas apostará todas as suas fichas em um nome do PDT e fará com ele o que Lula faz com a Dilma: colocará debaixo do braço e levará para todos os cantos.

Revanche

Para devolver a derrota de 2012 a Audifax, Vidigal conta sair muito bem dessa eleição, em ver o seu candidato a governador ser vitorioso nas urnas, que é Paulo Hartung (PMDB) e explorar o desgaste que o prefeito vem tendo nesta gestão. Aí sim, ele entra em um novo processo eleitoral fortalecido e vai para o campo de batalha com muitas armas e com grandes chances de vitória.

Para isso ele antes tem que combinar com o eleitor.  E torcer para que Audifax não se recupere do desgaste que vem sofrendo. Vai ser mais uma bela queda de braço. Quem viver verá.

 

 

 

Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!