• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 35.593 casos
  • 705 mortes
  • 34.297 curados
25.2 C
Serra
terça-feira, 26 janeiro - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 35.593 casos
  • 705 mortes
  • 34.297 curados

Morador quer que Vale e Arcelor indenizem saúde pública

Leia também

Coronavac: segunda remessa com mais de 16 mil vacinas chega ao Espírito Santo

Um novo lote da vacina Coronavac, produzida pelo Butantan/Sinovac, chegou ao Espírito Santo  nesta segunda-feira (25). De acordo com...

Vereadores aproveitam o recesso para enviar solicitações de serviços à Prefeitura da Serra

Antes mesmo do início das atividades em plenário, vereadores da Serra já apresentaram projetos, requerimentos de informações e indicações...

Roubo de cabos da OI, em Pitanga, deixa moradores sem internet

Moradores do bairro Pitanga, que fica na região rural da Serra, estão sofrendo com os constantes roubos de cabos...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

 

Protesto de ativista na Assembleia Legislativa durante CPI do Pó Preto que não fará audiência na Serra. Foto: Reprodução Facebook/ Sos Ambiental.
Protesto de ativista na Assembleia Legislativa durante CPI do Pó Preto que não fará audiência na Serra. Foto: Reprodução Facebook/ Sos Ambiental.

Uma lei mais rigorosa para controlar a qualidade do ar e indenização aos cofres do Sistema Único de Saúde (SUS) por conta dos atendimentos à população da Grande Vitória que sofre com doenças respiratórias. É o que pediram na Audiência Pública da CPI do Pó Preto, realizada na última quarta (17), os moradores e ativistas da capital capixaba. Uma nova Audiência está marcada para a próxima segunda (22), desta vez em Vila Velha.

A CPI tocada na Assembleia Legislativa investiga os danos ao patrimônio e à saúde da população provocadas por Vale e ArcelorMittal na Grande Vitória, além da Samarco – que tem como acionista a Vale – no litoral do sul do ES.

Da ONG SOS Espírito Santo Ambiental, José Marques Porto, disse que o pó preto e os gases do complexo industrial de Tubarão, onde estão Vale e Arcelor, geram graves problemas de saúde.  “Produzem asma, rinite, bronquite, câncer, problemas no coração”, enumera.

Porto pediu que as empresas pagassem o passivo ambiental sobre o qual elas têm responsabilidade. “As empresas tinham que pagar os R$ 22 milhões gastos pelo SUS para tratar problemas de saúde respiratória no Estado, esses dados são de 2013 referentes a 2012”, observa.

O vereador e morador de Vitória, Serjão (PSB), cobrou padrões mais rígidos para a qualidade do ar. Ele participou do Grupo de Trabalho Interinstitucional (GTI) Respira Vitória, que entre 2012 e 2013 discutiu a qualidade do ar na capital. Na ocasião foi estabelecido o padrão de poeira sedimentável (incluindo o pó preto) de 14 gramas por metro quadrado acumulado em 30 dias. “A intenção é que em dez anos se chegue aos índices estabelecidos pela Organização Mundial da Saúde (OMS)”, lembra.

Painel

Da Associação de Moradores de Jardim Camburi (ACJAC), Evandro Figueiredo, pediu a instalação de um painel eletrônico indicando, em tempo real, a qualidade do ar na orla de Camburi. O local é frequentado diariamente por milhares de pessoas para a prática de esportes e lazer.

A próxima Audiência será em Vila Velha, na paróquia São Francisco, em Itapoã, às 19 horas. Não há audiência prevista para a Serra, apesar do município sediar a Arcelor Mittal e parte do complexo industrial usinas da Vale, além de trecho da ferrovia Vitória – Minas.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!