15.8 C
Serra
sexta-feira, 29 de Maio de 2020

Medo do óleo já derruba venda de pescados em 30% na cidade

Leia também

Serra já tem 2.302 casos confirmados da Covid-19 e 143 mortes

A Serra já está com 2.302 casos confirmados da Covid-19 segundo dados do Painel Covid-19 do Governo do Estado...

Redução de mensalidade escolar por lei estadual é constitucional?

Foi aprovado nesta terça-feira dia 26 de Maio, projeto de lei nº 197/2020 que prevê descontos em mensalidades das...

Você já ouviu dizer que o intestino é o nosso segundo cérebro?

“Todas as doenças começam no intestino”, disse Hipócrates, há mais de dois mil anos, já reconhecendo a importância da...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Na Serra,são 600 pescadores e em todo o ES, 10 mil que dependem do mar. Foto: Fábio Barcelos

Até o início da noite de ontem (7), não havia informação de que o óleo chegara a praias capixabas. As manchas mais próximas estavam a cerca de 50 km do Espírito Santo, no município baiano de Mucuri. Mas os pescadores da Serra já estavam sentindo os impactos.

Da Associação de Pescadores de Jacaraípe, Míriam Gomes Scheneider é proprietária de quatro barcos e tem uma banca de peixes no balneário. Segundo ela, temendo contaminação, clientes já haviam reduzido as compras. “Nosso peixe é pescado no ES em áreas aonde o óleo não chegou. Há alguns dias, teve cliente que veio aqui para comprar em maior quantidade e estocar, dizendo que não compraria mais por um bom tempo. As vendas já caíram 30%. Já perdemos pesqueiros por conta da lama da Samarco. Se o óleo chegar, não vamos mais saber o que fazer”, desabafa.

Míriam disse que, na última quarta-feira (6), os pescadores da Serra participaram de treinamento com técnicos ambientais, em que receberam orientações sobre como avisar as autoridades se avistarem óleo no mar. E até como remover o material em segurança.

Já o presidente da Federação das Associações de Pescadores do Espírito Santo, Manuel Bueno dos Santos, o Nego da Pesca, disse que é fundamental o monitoramento das águas e peixes na sequência do desastre. Algo que faltou, segundo Nego, no caso da lama da Samarco.

O dirigente lembrou, ainda, que mesmo que o óleo não chegue ao ES, os pescadores já foram atingidos. Foi proibida a pesca da lagosta e camarão na região de Abrolhos até o fim do ano. E lá é o principal pesqueiro dessas espécies para nós. A gente já vem sofrendo com a lama da Samarco, porque está proibida até hoje a pesca de camarão até 20 m de profundidade entre Degredo (Linhares) e Barra do Riacho (Aracruz).

Nego também lembra que são 600 pescadores que dependem do mar na Serra e 10 mil em todo o estado. “Mas o impacto é muito maior. Tem as peixarias, o posto que fornece combustível, a fábrica de gelo, o restaurante, o pessoal que faz os petrechos, as lojas que revendem”, enumera.

Ainda na última quinta-feira (7), a força-tarefa entre órgãos federais, estaduais e municipais montada em terras capixabas já fechou a foz do Riacho Doce, na divisa entre ES e Bahia, para evitar a entrada do óleo no manguezal. Homens das forças armadas estão acampados em Conceição da Barra para ajudar na limpeza das praias.

Comentários

Mais notícias

Redução de mensalidade escolar por lei estadual é constitucional?

Foi aprovado nesta terça-feira dia 26 de Maio, projeto de lei nº 197/2020 que prevê descontos em mensalidades das instituições de ensino privado no...

Você já ouviu dizer que o intestino é o nosso segundo cérebro?

“Todas as doenças começam no intestino”, disse Hipócrates, há mais de dois mil anos, já reconhecendo a importância da saúde intestinal. E nós, nutricionistas,...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!