23.4 C
Serra
quinta-feira, 06 de agosto de 2020

Lei quer fim da rinha de animais no Espírito Santo

Leia também

EDP diz que fim de semana será sem energia em vários bairros da Serra

Neste fim de semana, a EDP Espírito Santo vai deixar vários bairros da Serra sem energia elétrica. No entanto,...

Extrabom promove campanha de conscientização em suas lojas sobre os 14 anos da Lei Maria da Penha

Nesta sexta-feira (7) a Lei Maria da Penha completa 14 anos de existência. Ainda assim, segundo dados da Polícia...

Índice de isolamento na Serra está abaixo dos 45% por dia em agosto

Desde o início da pandemia do novo coronavírus a Serra nunca atingiu mais de 55% no índice de isolamento...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O projeto surgiu de uma denúncia, que a CPI dos Maus-Tratos aos Animais recebeu de um animal que supostamente era usado em rinha num bairro nobre de Vitória. Foto: Divulgação

Foi aprovado nesta terça-feira (20) na Assembleia Legislativa, em Vitória, um projeto de lei que visa a proibição de realização de rinha de cães e outras espécies de animais no Espírito Santo. A matéria segue agora  para sanção do governador Paulo Hartung (PMDB).

O projeto é de autoria da deputada estadual Janete de Sá (PMN). “Esse projeto surgiu de uma denúncia, que recebemos na CPI dos Maus-Tratos aos Animais, que dava conta de que um cachorro, da raça bull terrier, ficava em uma casa na Mata da Praia, sem água e comida. O animal era retirado quinzenalmente do imóvel e quando retornava estava machucado  e agressivo. Ainda de acordo com a denúncia a suspeita era de que o animal era levado para rinhas clandestinas. Na época dos fatos, tentamos identificar o proprietário do cão para intimá-lo à prestar depoimento mas não obtivemos sucesso. Em função disso apresentei o projeto com o objetivo de repelir e punir os infratores que realizem rinha de cães ou qualquer outra espécie animal”, declarou a deputada Janete de Sá, autora do projeto.

A deputada justifica ainda em se projeto que a realização de rinhas é usualmente associada a jogos e apostas proibidas, estando os infratores tentando obter lucro a partir da dor e do sofrimento dos cães e demais espécies que são expostos à crueldade de se atacarem pelo simples prazer e ganância de seus organizadores e expectadores.

O projeto estabelece ainda uma multa de 2.000 VRTE – Valor de Referência do Tesouro Estadual, o que dá quase R$ 6 mil, em valores referentes ao ano de 2016.

No Brasil existe o Decreto nº 50.620, de 18 de Maio de 1961 que proíbe a rinha de galo e de outros animais. Porém, há relatos de que a prática é liberada em alguns estado por forças de liminares da Justiça.

Comentários

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Extrabom promove campanha de conscientização em suas lojas sobre os 14 anos da Lei Maria da Penha

Nesta sexta-feira (7) a Lei Maria da Penha completa 14 anos de existência. Ainda assim, segundo dados da Polícia Civil de janeiro de 2020,...

Índice de isolamento na Serra está abaixo dos 45% por dia em agosto

Desde o início da pandemia do novo coronavírus a Serra nunca atingiu mais de 55% no índice de isolamento social. Segundo dados do Painel Covid-19...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!