28.7 C
Serra
sábado, 22 janeiro - 2022
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Instituto da Serra oferece atendimento psicológico de graça ou com valor acessível

Leia também

Serra terá dois novos pontos de testagem de Covid-19 | Confira

Diante do crescente número de casos positivos de Covid-19 registrados nos últimos dias, a procura por testes aumentou e...

Avanço explosivo da Ômicron adoece 1.550 pessoas na Serra em 24h

A circulação da variante Ômicron em território capixaba tem causado um aumento explosivo de novos casos da Covid-19 na...

Serra volta para risco moderado e pode sofrer restrições devido ao avanço da Covid-19

Devido ao aumento de casos de coronavírus e mortes causadas por complicações da Covid-19, a Serra voltou a ser...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br
Gabriel Almeida é jornalista do Tempo Novo há mais de sete anos. Atualmente, escreve para diversas editorias do jornal.

Fundadoras do Instituto Psicologia para Todos. Foto: Divulgação

Ignorado durante anos pela grande maioria das pessoas, o cuidado com a saúde mental está virando rotina de milhares de brasileiros após os impactos deixados pela pandemia da Covid-19. Entretanto, não é qualquer pessoa que tem acesso aos tratamentos psicológicos, já que, muitas vezes, pacientes de baixa renda não conseguem as consultas pelo sistema público de saúde e, tampouco, possuem dinheiro para pagar um profissional particular.

Na Serra, a situação não é diferente; profissionais da área alertam que a busca de pessoas que precisam de ajuda é cerca de quatro vezes maior do que antes do período pandêmico. E pensando em tornar o atendimento psicológico acessível a todos, um instituto da Serra realiza, há mais de três anos, consultas gratuitamente – para quem vive em situação de vulnerabilidade social – ou com valores acessíveis para quem consegue pagar taxas mais baixas.

Trata-se do Instituto Psicologia para Todos, atualmente com sede em Colina de Laranjeiras, na Serra. A iniciativa foi idealizada na faculdade por um grupo de amigas – na época estudantes de Psicologia – que buscavam, ainda na sala de aula, ofertar os serviços desta área para quem precisa de ajuda, mas não possui condições financeiras.

A Ong oferta diversos tipos de serviços, mas o principal é o plantão psicológico, que é gratuito e visa ser a porta de atendimento àqueles que precisam de atendimento e não têm condições para arcar com os custos. Qualquer pessoa pode procurar o plantão, sempre através do WhatsApp solicitando um agendamento para um dos psicólogos voluntários.

A pessoa será acolhida e poderá agendar até três atendimentos gratuitos. Após este momento, o paciente passará por uma avaliação, e caso comprovado a dificuldade de acesso ao tratamento e necessidade de acompanhamento, será incluído no ‘Projeto Incluir’. Neste caso, o paciente passa a oferecer um custo mensal de R$ 100, depositado diretamente na conta do instituto.

Em casos específicos, onde o paciente não possui nenhuma condição financeira, é possível que o instituto ofereça atendimento gratuito durante o período necessário. Atualmente, o projeto conta com 25 voluntários.

Psicologia elitizada e dificuldades no setor público

Foto: Divulgação

Uma das fundadoras e atual presidente do instituto, Alessandra Dias de Jesus, relata que a psicologia segue elitizada, mas alerta que as pessoas de baixa renda também precisam de tratamento.

“Conversávamos muito sobre o fato de a psicologia ser elitizada, das demandas e necessidades. E pensando nisso, refletimos sobre que tínhamos que fazer alguma coisa para que essa área seja mais vista e menos elitizada; que as pessoas tenham mais acesso e consigam chegar a esses profissionais”, conta a psicóloga.

Ainda de acordo com ela, o poder público não consegue suprir toda a demanda que surge para os serviços psicológicos, principalmente após a pandemia, quando houve gigantesco aumento de procura por ajuda. Alessandra ainda relata que, os governos oferecem, em sua grande maioria, apenas atendimento a casos mais graves.

“Existe o serviço no setor público, porém, a quantidade de equipamentos é muito pequena para alcançar a demanda. Essa estrutura e as políticas públicas acabam atuando só nos casos graves, e não nos leves e moderados. E trabalhar estes últimos é atuar com prevenção e promoção de saúde”, explica Alessandra.

Também fundadora do movimento e diretora do Conselho Fiscal, Felismina Teixeira, afirma que durante a pandemia, houve grave aumento na procura de ajuda profissional. “Na pandemia, a fobia, que é o medo de alguma coisa concreta ou subjetiva, foi um dos desencadeadores de crise de ansiedade e depressão no enfrentamento destes tempos tão difíceis”, destacou.

Felismina ainda destaca em quais momentos a pessoa deve procurar ajuda psicológica. “Enfrentamento de luto por morte, separações, perda de emprego e está sentindo que a tristeza só aumenta. Em resumo, ansiedade é o sentimento de estar sobrecarregado com emoções. Nesse estado, seu corpo pode entrar em alerta, causando palpitações, náusea, tensão e até falta de ar. Esses episódios, que podem acontecer com todo mundo, são tratáveis. Procure um profissional de saúde mental e descubra as melhores maneiras de tratar as crises de ansiedade e depressão. Tempos difíceis precisa de boas estratégias de enfrentamento”, finaliza.

Atendimento a vítima de violência

Outra ação importante do Instituto Psicologia para Todos é o atendimento à mulher vítima de violência. Somente em 2021, foram mais de 509 mulheres atendidas pelos voluntários do projeto e encaminhadas para a delegacia de mulheres.

O instituto também é parceiro do Tribunal de Justiça, através da juíza Dra. Hermínia Azoury, podendo assim cooperar no enfrentamento a violência contra a mulher.

Como agendar uma consulta?

Para agendar uma consulta no Plantão Psicológico, é necessário que o paciente entre em contato através do WhatsApp: (27) 99667-3196.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br
Gabriel Almeida é jornalista do Tempo Novo há mais de sete anos. Atualmente, escreve para diversas editorias do jornal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!