25.9 C
Serra
sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

Festa das raças – Leia a coluna ‘Cidade, Cultura e Política’

Leia também

Chuvas | Serra antecipa limpeza de bueiros e valas

Áreas de instabilidade se intensificaram sobre o mar e avançaram para o Espírito Santo espalhando nuvens carregadas sobre algumas...

Prefeitura da Serra vai enviar 50 pessoas para ajudar na limpeza de Iconha

Muitas doações de produtos de limpeza, alimentos e roupas estão chegando ao município de Iconha, devastado por chuvas que...

Morador pede bueiros em ruas de Portal de Jacaraípe – Confira no ‘Pronto, Flagrei’

Morador do bairro Portal de Jacaraípe, Cleiton Luiz, reclama da ausência de bueiros em diversas ruas da comunidade. Segundo ele,...
Odmar Péricles Nascimentohttps://www.portaltemponovo.com.br
Odmar Péricles Nascimento é sociólogo e membro da Academia de Letras e Artes da Serra

Odmar Péricles é o autor da coluna. Foto: Divulgação

Gosto de amanhecer dia vinte e seis, vendo chegar povo e banda de congo na Igreja matriz. E inevitavelmente viajo nas coisas que sei da história dessa cidade. Igreja, povo e banda de congo são condutores constituintes de todas as transformações testemunhadas pelo majestoso Mestre Álvaro.

A iglésia (como chamavam desde o latim) é âncora da história. Nela estão mentes e mãos, de muitos períodos, manifestações e credos. E que Atravessaram gerações, também geradoras e transmissoras que mantém viva as tradições. E embora não professe fé, dela extraio o ritmo e encadeamento dos fatos que giram ao seu redor, fazendo estabelecer a história da cidade.

No entanto, essa parte da história é mais contempladora da porção branca de nossa miscigenada população.

A outra parte desse enredo é ver entre os veneradores da fé, entre aqueles que peregrinam a santa fé que os confortam: as pessoas do povo, que ocupam os metros quadrados do templo. Ver entre eles os músicos da banda de congo, é deveras encantador. Homens congueiros com seus atabaques, casacas e tambores; e as saias rodadas da porta-estandarte e passistas do passo-do-congo; e seus cânticos de pura exaltação a saudade.

Essa é a outra face dessa mesma cidade. A história negra que ganhou força e expressão sincronizando-se aos feitos europeus nessa terra.

A cidade com suas histórias: a dos primeiros habitantes, de raros registros. A de portugueses que aqui se estabeleceram, organizando a produção, defesa e habitação na vila; e de negros capturados nas aldeias dos confins do continente africano. E que trouxeram junto com o trabalho forçado, sons e ritmos, ainda tão vivos e transcendentes do tempo.

Fazem quatrocentos e sessenta e três anos que Serra é palco e inspiração de seu histórico desenvolvimento dos componentes dessa festa. De fé, religiosidade, arte e da beleza de suas raças.

Comentários

Mais notícias

Prefeitura da Serra vai enviar 50 pessoas para ajudar na limpeza de Iconha

Muitas doações de produtos de limpeza, alimentos e roupas estão chegando ao município de Iconha, devastado por chuvas que atingiram o sul do Espírito...

Morador pede bueiros em ruas de Portal de Jacaraípe – Confira no ‘Pronto, Flagrei’

Morador do bairro Portal de Jacaraípe, Cleiton Luiz, reclama da ausência de bueiros em diversas ruas da comunidade. Segundo ele, basta chover um pouco mais...

Pague 26 e leve 23 | Confira a coluna Nó da Gravata desta sexta (24)

Pague 26 e leve 23 Após os vereadores de oposição colocarem o ‘pé na porta’ contra a posse do suplente de vereador Fábio Latino (PSB),...

A Serra tem meio milhão de incapazes? Leia a opinião do TN

Quando o chefe dos índios temiminós Maracajá-guaçu e o padre jesuíta Brás Lourenço, em 1556, fundaram a Aldeia de Nossa Senhora da Conceição da...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem