20.7 C
Serra
quarta-feira, 22 setembro - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 71.679 casos
  • 1.485 mortes
  • 69.752 curados

Estudo inglês demonstra que segunda dose de vacinas é essencial contra a variante delta

Leia também

Vendaval destrói poste e deixa bairro da Serra sem energia elétrica

O vendaval da noite desta terça-feira (21) está deixando estragos em alguns bairros da Serra. Em Vila Nova de Colares,...

Calorão na Serra dá lugar a chuva e ventos de até 40 km/h nessa quarta-feira

No dia em que marca a passagem para a Primavera no Hemisfério Sul, o avanço de um sistema frontal...

Assembleia Legislativa aprova regras para gratuidade em ônibus

  Deputados estaduais aprovaram nesta quarta-feira (21) o Projeto de Lei Complementar 24/2021, que faz ajustes à Lei Complementar 971/2021....
Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Vacinados com AstraZeneca e Pfizer alcançam maior proteção contra essa cepa com o esquema vacinal completo. Foto: Divulgação

Mais um estudo demonstra a necessidade da segunda dose da vacina contra a Covid para que a proteção seja mais efetiva. O relatório de monitoramento do sistema público de saúde britânico publicado no último dia 22, que analisou AstraZeneca e Pfizer, mostrou que essas vacinas são eficazes contra as variantes de maior relevância (alfa, beta, gama e delta) de maneira similar, mas existe uma diferença na cobertura para quem tomou apenas uma dose.

“Quando observados somente os parcialmente vacinados, as vacinas demonstram ter uma eficácia menor para variante delta. Já quando consideramos a população com vacinação completa, com as duas doses, essa diferença desaparece é a eficácia é semelhante para todas”, explica a infectologista da Unimed Vitória Ana Carolina D’Ettorres. A médica reforça que para evitar uma nova onda de Covid pela variante delta é preciso acelerar o processo de vacinação e garantir que mais pessoas tenham esquema vacinal completo.

É notória a queda de hospitalizações e mortalidade com o avanço da vacinação, assim como a diminuição no número de infectados. Isso chama atenção porque os estudos de eficácia da vacina foram desenhados com o objetivo de evitar morte e formas graves, mas o indivíduo vacinado pode ainda se infectar e transmitir para os outros. Apesar disso, estudos do Reino Unido mostram bons resultados para a quantidade de infecção evitada: a percentagem varia de 55-70% para vacina Pfizer e de 60-70% para AstraZeneca, em uma dose; e chega a evitar de 65-90% de infecções quando em duas doses de ambas as vacinas.

A infectologista analisa que as vacinas permitem também uma queda na transmissão. “Indivíduos não infectados não transmitem o vírus, portanto, se as vacinas conseguem impedir a infecção em 60-90% dos pacientes com esquema completo, consequentemente a transmissão cairá. Um estudo na Inglaterra mostrou que pessoas não vacinadas que moram com alguém vacinado com uma dose têm 35-50% menos chances de se tornar um caso confirmado de Covid”.

A campanha de vacinação segue como uma estratégia de saúde pública. “Além de você como indivíduo se proteger, quando vacinado você garante que quem está ao seu redor se proteja também, mesmo que não esteja vacinado ainda”, reforça Ana Carolina. E vale lembrar: nenhuma vacina tem 100% de proteção comprovada até o momento. Dessa forma, o uso de máscaras e os cuidados com o distanciamento social devem continuar.

Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!