25.6 C
Serra
quinta-feira, 12 de dezembro de 2019

ES pode ter o ‘Novembro Negro’, mês dedicado à conscientização das questões raciais

Leia também

Pré-candidatos a prefeito serão sabatinados em Jacaraípe

Tem início nesta quinta-feira (12) uma série de debates com pré-candidatos a prefeito da Serra. O objetivo é levar...

Concursos públicos estaduais terão reserva de vagas para negro e índio

Concursos públicos e processos seletivos estaduais terão reserva de vagas para negros e índios. O benefício foi aprovado durante...

Norte Sul é interditada e trânsito fica caótico na Serra

Um trecho da rodovia Norte Sul, próximo ao Terminal de Carapina, foi interditado na Serra. Isso fez com que...
Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Proposta foi feita na Assembleia Legislativa, deputados sinalizaram positivamente. Foto: Tati Beling

A participação dos afrodescendentes na cultura capixaba foi discutida na Comissão de Cultura, em reunião nessa segunda-feira (11). Sugerido por movimentos em prol da causa no Estado, o tema reuniu para debate ativistas e intelectuais.

A representante do Coletivo de Fortalecimento e Empoderamento da População Negra do Sul do Estado, Luciana Santana, citou as ações do grupo, formado em 2014, em Itapemirim, com o objetivo de valorizar a população negra.

O grupo, formado por mulheres e crianças, desenvolve ações de autocuidado, preservação das tradições, empreendedorismo motivacional, incentivo musical, entre outros. Além disso, ela cobrou a implantação do Novembro Negro.

“Queremos que a comissão nos ajude a implantar o Novembro Negro, como forma de reconhecer o mês de ativismo negro, com referência a Zumbi de Palmares, símbolo da resistência e luta contra a escravidão no  Brasil Colonial”, defendeu Luciana Santana.

No dia 20 de novembro, data da morte do líder quilombola  Zumbi, é comemorado o Dia Nacional da Consciência Negra, instituído pela Lei 10.639/2003.

A ativista também defende o cumprimento da Lei Federal 10.639/2003 no que diz respeito à obrigatoriedade do ensino da história e cultura afro-brasileira e africana em todas as escolas, públicas e particulares, do ensino fundamental até o ensino médio. “Nossas reivindicações são para toda a população negra seja representada agora e no futuro”, finalizou Santana.

O presidente da comissão, deputado Torino Marques (PSL), sinalizou positivamente para a medida, e afirmou que o tema vai estar sempre na pauta da Comissão por sua relevância social. Também participaram da reunião os deputados Delegado Danilo Bahiense (PSL) e Carlos Von (Avante).

Também esteve presente o escritor Adilson Vilaça – incluído entre os 100 escritores brasileiros que mais contribuíram com a temática por meio da literatura, em seleção realizada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – que destacou a importância da contribuição do povo negro no desenvolvimento do país em várias áreas.

“Nada melhor que o tempo para nos ensinar a inclusão. E houve um tempo em que era proibido falar nesse tema. Na década de 1970, quando começamos a organizar o movimento negro no Espírito Santo, a Polícia Federal prendia quem falasse no assunto. Hoje estamos em uma Casa de leis, sendo ouvidos de forma democrática e com o objetivo de fazer mais por quem realmente carregou construiu o Brasil, carregou o país nas costas à base do chicote”, afirmou Adilson Vilaça.

Para o escritor, o negro quer seu direto de ser igual, seja na expressão da arte e de outras. “E essa igualdade precisa contemplar também a questão econômico-financeira, a instrução escolar, a saúde, que foram e continuam sendo roubadas do povo brasileiro negro”, pontuou.

Também presente no debate, a atriz e jornalista Helena Vitória discorreu sobre a reflexão provocada pelo documentário “Espaço Aberto: “traços da identidade negra na dramaturgia brasileira”, produzido por ela em 2009.

Segundo Helena, o documentário, com duração de 30 minutos, não pretende levantar bandeiras “mas incluir a questão da valorização do povo preto na dramaturgia e teledramaturgia de forma igualitária e ao mesmo tempo respeitando o aspecto étnico da reflexão”.

Comentários

Mais notícias

Concursos públicos estaduais terão reserva de vagas para negro e índio

Concursos públicos e processos seletivos estaduais terão reserva de vagas para negros e índios. O benefício foi aprovado durante a sessão extraordinária nesta quarta-feira...

Norte Sul é interditada e trânsito fica caótico na Serra

Um trecho da rodovia Norte Sul, próximo ao Terminal de Carapina, foi interditado na Serra. Isso fez com que o trânsito ficasse intenso e...

Estado prorroga pré-matrícula em escolas públicas ate o dia 19

A Secretaria da Educação (Sedu) prorrogou o prazo para a Pré-Matrícula na Rede Estadual para até o próximo dia 19. A publicação foi feita...

Café com negócios para mulheres em Laranjeiras

No próximo dia 18  às 19h acontece o Happy Hour com Ideia para mulheres empreendedoras no prédio da Unip, em Laranjeiras. O evento, que...

Você também pode ler

Conteúdo patrocinado

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!