O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Erick Musso, participou na tarde desta segunda-feira (16), da reunião ordinária da Comissão de Proteção à Criança e ao Adolescente. O colegiado apresentou relatório de visita ao Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória, em Vitória, que evidenciou a situação preocupante do local, colocando em risco potencial médicos, funcionários e, principalmente, pacientes. O presidente cobrou do Governo do Estado e outras entidades responsáveis que intensifiquem a fiscalização de outras instituições de saúde.

“Essa situação por que passa o Hospital Infantil requer uma atenção especial de todas as autoridades capixabas. Minha presença nesta reunião é uma forma de chamar a atenção de todos os chefes de poderes do Estado, sobretudo do Governo, para o Hospital Infantil, que é patrimônio do Estado”, disse Musso, sugerindo que a Comissão aumente o leque de fiscalização nos hospitais e faça um levantamento de todos os problemas destas instituições.

Musso ressaltou ainda que, independente de divergências político partidárias, o interesse público, quando “colocado à mesa”, deve ser maior que questões ideológicas. “Temos que ampliar esse trabalho que foi iniciado no Hospital Infantil, infelizmente de uma forma que não gostaríamos, mas temos que ampliar esse trabalho para sabermos como está a situação dos hospitais do Estado. Não estou entrando na questão clínica, mas na parte estrutural, para que tragédias como as que aconteceram no Rio de janeiro não aconteçam no Espírito Santo (se referindo ao hospital particular que pegou fogo no Rio)”, ressaltou o presidente, convidando o Governo do Estado para fazer parte desse trabalho de levantamento e fiscalização.

Atualmente, o Hospital Infantil de Vitória é referência no atendimento de crianças adolescentes no ES, realizando em média 12 mil atendimentos por mês. Possui uma área física de 4.700 m², composta de 121 leitos de internação, o que proporciona à população infantil do Estado os mais variados serviços na área de saúde, bem como capacitar profissionais na aérea médica.

O hospital está funcionando sem alvará́ do Corpo de Bombeiros, visto que irregularidades encontradas no local fizeram com que a renovação da licença fosse negada. Há problemas no sistema de proteção por hidrantes, sistema de proteção contra descarga atmosférica, sistema de alarme de incêndio, saídas de emergência, sistema de iluminação de emergência e no sistema de proteção por extintores. Há relatos de acompanhantes de pacientes e funcionários que denunciam a ocorrência de incêndios no hospital. No dia 31 de agosto de 2019, aconteceu um curto-circuito e gerou um pequeno incêndio em uma sala da unidade.

Comentários