24 C
Serra
domingo, 17 de novembro de 2019

Entre Audifax e Vidigal?

Leia também

Óleo já está em Nova Almeida e Jacaraípe e ameaça também água de serranos

Aconteceu. O petróleo que contamina há mais de dois meses a costa do Nordeste chegou às praias da Serra....

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Yuri Scardini 

Desde o início do ano e mais intensamente após abril, Audifax enfrenta uma oposição de 16 vereadores que controlam a Mesa Diretora e as principais comissões da Câmara. Várias acusações foram desferidas de ambos os lados e oposicionistas passaram a abrir frentes de investigação inócuas e travar matérias de interesse da Prefeitura. Depois de meses de desgastes mútuos e intensa disputa nos bastidores – que se enveredou para intermináveis guerras judiciais -, essa briga foi dando sinais de esfriamento nas últimas semanas.

Na segunda passada (08), um fato marcou a política local. Trata-se do encontro público entre o prefeito da Serra, Audifax Barcelos (Rede), e líderes da oposição, entre eles o presidente da Câmara, Rodrigo Caldeira (Rede). O objetivo formal foi sancionar um projeto de doação de área para o Ibama. Na primeira leitura, o mercado interpretou o movimento como o fim da crise institucional no município; no entanto, passados quatro dias, pairam dúvidas sobre a solidez dessa dita “trégua”.

A oposição perdeu força, e isso é consenso, até mesmo entre os próprios envolvidos; mas, não obstante, continua viva. Após o encontro e as trocas de afagos entre Caldeira e Audifax, um clima de euforia foi sentido, que em pouco tempo transmutou-se em incertezas. Isso se explica por um personagem central nessa trama: o vereador Aílton Rodrigues (PSC).

Embora tenha sido um dos interlocutores da retomada do diálogo entre Executivo e Legislativo, Aílton, curiosamente, não foi à reunião citada acima. A ausência pode ser explicada por uma sombra que emergiu aos 45 do segundo tempo e com poder de aglutinar aqueles que insistem em permanecer num movimento sistemático de oposição: trata-se do deputado Sérgio Vidigal (PDT).

Na verdade, não está claro o tamanho da influência de Vidigal nesse grupo e nem mesmo se ele tenta reagrupar a oposição. O fato é que Vidigal teria ligado para Aílton na iminência de um acordo de paz com Audifax, fazendo com que o vereador recuasse e, por tabela, lançasse dúvidas no grupo de oposição (cerca de oito parlamentares). Já o restante ficou à deriva, uma vez que o articulador teria se retirado.

Vidigal é candidato em 2020. Audifax é sua antítese. Se o prefeito alcançar seus objetivos, com R$ 300 milhões em empréstimos, ele vai transformar a cidade num canteiro de obras a céu aberto até o ano que vem (já está em curso); caso ainda haja uma facilidade política com a Câmara, Audifax pode chegar com forte densidade eleitoral para tirar votos de Vidigal e levar para seu sucessor. Por isso, o pedetista pode ter entrado no circuito para reorganizar a oposição por meio de Aílton. Por hora, o mercado político segue atento e esperando os próximos lances.

Comentários

Artigo anteriorCesan é cara e ineficaz
Próximo artigoBruno costureiro

Mais notícias

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de café, seu consumo diário de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro na água  e a alta...

Chuva alaga Vale e eleva risco de vazamento de rejeitos em Tubarão

Localizada na divisa entre Serra e Vitória, a planta industrial de Tubarão da Vale também não escapou dos alagamentos que atingem o ES por...

Fortes chuvas deixam 72 pessoas desalojadas no ES

Apesar de não ter causado grandes estragos na Serra, as fortes chuvas que estão caindo no Espírito Santo desde a madrugada da última quarta-feira...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!