27.9 C
Serra
quinta-feira, 27 de fevereiro de 2020

Entidades criticam Prefeitura e Estado por corte da restinga

Leia também

Polícia aponta aumento de ultrapassagens proibidas e acidentes nas BR’s no ES

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou durante os dias de Carnaval, de 21 a 26 de fevereiro, um aumento...

Interesse Eleitoral é o tema da ‘Cidade, Cultura e Política’ desta semana

Diferentemente de cidades cuja eleição atende ao exclusivo interesse de seus munícipes, numa cidade como Serra é impossível não...

Obras na ArcelorMittal Tubarão vão gerar 920 postos de trabalho

Obras para reduzir a poluição e também para implantar usina de dessalinização da água do mar vão gerar 920...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Área havia sido recuperada na década de 2000 e agora ficou assim. Foto: Fábio Barcelos

Bruno Lyra

O corte da restinga da praia do Solemar em Jacaraípe feito pela Prefeitura, com autorização do Estado, é alvo de crítica de entidades que ajudaram na recuperação do local.

Presidente da Associação de Surf do Estado do Espírito Santo (Ases), Flávio Ferreira ‘Minotauro’ Siqueira, disse que entidade não é contra a poda da vegetação feita para atender a demanda de segurança apontada por alguns moradores e comerciantes, mas critica a forma como foi feita.

“Não deveria ter sido feito corte raso e sem o manejo dos animais que habitam o local. Foram cortadas plantas nativas e deixadas exóticas. Era preciso fazer uma jardinagem podando galhos que impediam a visualização da praia, mas mantendo as espécies nativas”, pontua.

Segundo Flávio, a Ases iniciou a recuperação da restinga do local em 2001, sempre sob orientação da própria prefeitura da Serra ou de técnicos de empresas que foram parceiras, como Aracruz Celulose (atual Fíbria), Infraero e Cesan. “É mentira que só foram retiradas espécies exóticas”, afirma.

A assessoria de imprensa do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do ES (Idaf), órgão que deu a autorização para o corte, disse que a fiscalização estive no local na última terça-feira (10) e constatou que o corte estava dentro da lei, sem afetar espécies nativas. 

O presidente do Instituto Brasileiro de Fauna e Flora (Ibraff), Claudiney Rocha, contesta. “Essa afirmação é tão absurda que vi lugares onde deixaram pés de yuca, planta exótica, e cortaram aroeira que é nativa. Foi crime ambiental. Formalizamos uma denúncia no Ibama e faremos isso também no Ministério Público”, acrescenta.

Já a Prefeitura da Serra, através de sua assessoria de imprensa, disse que toda a ação foi feita dentro da lei, com autorização do Conselho Regional de Meio Ambiente e Idaf. Acrescentou que foram retiradas apenas vegetação exótica e que irá introduzir a planta nativa ipomeia no local. Disse ainda que bandidos estavam se escondendo no local e ameaçando a segurança da comunidade.  

Comentários

Mais notícias

Interesse Eleitoral é o tema da ‘Cidade, Cultura e Política’ desta semana

Diferentemente de cidades cuja eleição atende ao exclusivo interesse de seus munícipes, numa cidade como Serra é impossível não transbordar  para mais que o...

Obras na ArcelorMittal Tubarão vão gerar 920 postos de trabalho

Obras para reduzir a poluição e também para implantar usina de dessalinização da água do mar vão gerar 920 postos temporários de trabalho na...

Assombrações? Que nada! O medo agora é outro… | Confira a ‘Charge do TN’

Na charge desta semana, o TEMPO NOVO traz novamente temas de duas doenças que andam assombrando serranos e demais pessoas de todo o Brasil....

Serranos mandam ver em versão da canção ‘Telegrama’ de Zeca Baleiro

Ícone da geração dos anos 1990 da MPB, o maranhense Zeca Baleiro teve versão de uma de suas músicas mais conhecidas, ‘Telegrama’, gravada ao...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem