24.3 C
Serra
sexta-feira, 05 de junho de 2020

Eleições animam mercado de marketing político e gráficas

Leia também

Obrigado, ambientalistas serranos

Num momento em que as políticas de proteção ao meio ambiente sofrem pesado revés no Brasil, fica ainda mais...

Com ausência de Porto, Cabo Puppim quer manter vivo o DNA de direita na Câmara: “recebi uma missão”

Aos 43 anos de idade, o policial reformado e advogado, Bruno Puppim, se vê diante de um novo desafio:...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Os tradicionais santinhos devem movimentar as gráficas. Foto: Divulgação

Clarice Poltronieri                                                                                    

A chegada das eleições movimenta o mercado gráfico, publicitário e de marketing político, aumentando a demanda por serviços em mais de 100% em alguns setores. Impressão de material gráfico, planejamento estratégico, pesquisas, análise de cenário, são alguns dos serviços que os candidatos procuram.

O executivo de contas da gráfica Metro, Renato Reis, espera aumento nos negócios. A gráfica fica no Civit II.  “A expectativa é de que as eleições façam o faturamento a demanda por serviço aumentar de 15 a 20%, o que para mim não é muito significativo. Pelo que escuto e vejo, isso se deve às mudanças das regras eleitorais, como proibição da doação de empresas, por exemplo”, avalia.

Para quem trabalha com estratégia e marketing político, o serviço aumenta em mais de 100%. É o que diz Eduardo Gomide, sócio-proprietário da Nova Comunicação Inteligente e Marketing Político.

“A empresa assessora mandatos e faz marketing político. Nos períodos eleitorais a procura aumenta em mais de 100%, pois os políticos não têm costume de fazer um trabalho de manutenção de mandato. O aumento vai de março até as eleições. Mas nas eleições de cenários Estadual e Nacional o faturamento é pior porque não prestamos serviços para mais do que um candidato de cada cargo, por questões de ética e de estratégias de campanha”, ressalta.

Mas as novas regras reduziram os ganhos em relação às campanhas anteriores. “As mudanças na legislação também levaram a adequar os valores à realidade atual de gastos. Tivemos que ser mais criativos com menos recursos disponíveis e também houve redução em nossos ganhos em comparação a campanhas anteriores”, explica Eduardo.

Darlan Campos, diretor executivo da República Marketing Político, também afirma que as mudanças na legislação alteraram o mercado.

“O fim do financiamento empresarial nas duas últimas eleições trouxe uma nova realidade. Hoje os serviços mais procurados são da parte estratégica: planejar campanha, mapear território, definir ações. O desenvolvimento de peças gráficas também. No período eleitoral há um aumento de 50% na busca por serviços, mas temos uma parcela dos candidatos que se programa um ano antes da campanha”, revela.

 

Comentários

Mais notícias

Com ausência de Porto, Cabo Puppim quer manter vivo o DNA de direita na Câmara: “recebi uma missão”

Aos 43 anos de idade, o policial reformado e advogado, Bruno Puppim, se vê diante de um novo desafio: "contribuir com a mudança da...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!