26.8 C
Serra
terça-feira, 22 de setembro de 2020

Dever de casa para capixaba

Leia também

CPF do estudante passa a ser obrigatório para matrícula na rede pública de ensino

A Secretaria da Educação (Sedu) passou a estabelecer, a obrigatoriedade de registro do número do Cadastro Nacional de Pessoas...

Polícia prende criminosos com metralhadora e drogas na Serra

A noite da última segunda-feira (21) terminou com apreensão de drogas, metralhadoras e prisão de criminosos na Serra. Tudo...

Detran lança campanha educativa para mostrar fragilidade da vida no trânsito

“E se fosse você?” Esse é o questionamento feito pelo Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES) aos...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

O petróleo que devasta praias do Nordeste brasileiro ainda não chegou – e pode até não chegar – ao litoral do Espírito Santo. Mas já está impactando a economia local com a proibição da pesca de lagosta e camarão na região de Abrolhos, no extremo sul da Bahia. O local é o principal pesqueiro dos pescadores serrano e de outras cidades do ES, que fornecem a peixarias, restaurantes supermercados e feiras. Outro indicador de que o impacto já chegou é a mobilização do Governo do Estado e prefeituras em torno de planos de contingência.

Se a contaminação atingir as praias capixabas, o estrago será ainda maior. Como no caso dos rompimentos das barragens da mineração, esse desastre/crime ambiental revela a incapacidade do poder público e do mundo corporativo de debelar crises dessas proporções.

Mais preocupante é saber que o mar do Espírito Santo é salpicado de poços de petróleo, sendo o segundo maior produtor de um dos principais países do setor petrolífero. Tal como as represas de mineração a oeste, os poços a leste do estado são bombas-relógios a ameaçar a economia e o meio ambiente dos capixabas. Que o rompimento da barragem de Mariana, em 2015, e agora o derramamento de petróleo virem oportunidade para o ES adquirir expertise para fazer a gestão dos dois tipos de desastre e reduzir ao máximo seus efeitos.

É uma tarefa ingrata. Se em megavazamentos de petróleo ocorridas em sociedades mais ricas e organizadas a devastação foi ciclópica e se estendeu por anos, difícil esperar algo diferente no Brasil. Ainda mais na gestão Bolsonaro, em que uma das marcas é o desmonte dos órgãos ambientais.

Lamentável também é o disse me disse em torno do tema. Ao invés de agir logo que as primeiras manchas surgiram, as autoridades federais – incluindo o próprio presidente – se apressaram em apontar culpados, e sem provas. Aliás, até ontem (31), dois meses após a detecção do vazamento, ainda não se sabe de onde ele veio e se continua. Isso num planeta cada vez mais monitorado. Inconcebível.

Que os pescadores da Serra e do ES também sejam reconhecidos como atingidos e possam, de imediato, ter acesso ao auxílio-defeso extraordinário. Não só pelo fato de terem seu principal pesqueiro nos arredores de Abrolhos, como também o fato de parte do ES pertencer à Sudene.

Comentários

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Mais notícias

Polícia prende criminosos com metralhadora e drogas na Serra

A noite da última segunda-feira (21) terminou com apreensão de drogas, metralhadoras e prisão de criminosos na Serra. Tudo começou quando policiais militares do...

Detran lança campanha educativa para mostrar fragilidade da vida no trânsito

“E se fosse você?” Esse é o questionamento feito pelo Departamento Estadual de Trânsito do Espírito Santo (Detran|ES) aos motociclistas, em sua nova campanha...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!