24.5 C
Serra
sexta-feira, 18 de setembro de 2020

Desastre ambiental iminente no Atlântico envolve de novo a Vale

Leia também

Atenção | Acidentes travam trânsito na Serra e congestionamento é gigantesco na BR-101

A volta para casa de motoristas que precisam passar pela BR-101, Norte Sul e outras vias da Serra está...

PIB capixaba cai 12,2% no segundo trimestre, aponta Federação

A economia capixaba teve um recuo de 12,2% no segundo trimestre. O número da estimativa divulgada na última terça-feira...

Com isolamento social despencando, Serra registra três novas mortes e 112 casos de coronavírus em 24h

Sendo a segunda cidade do Espírito Santo com o maior número de casos confirmados e mortes por coronavírus, a...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

O navio com 300 mil toneladas de minério de ferro da Vale está encalhado na costa do Maranhão e já tem vazamentos, segundo a Marinha. Foto: Divulgação/Marinha do Brasil

Co-responsável pelo derramamento de rejeitos no rio Doce e no mar com o rompimento da barragem da Samarco (Vale + BHP Billiton) em 2015 e responsável pelo estouro da barragem de Brumadinho que lançou o mesmo tipo de rejeito na bacia do rio São Francisco em 2019, a Vale está novamente envolvida em degradação ambiental que pode ganhar grandes proporções.

É que o navio ‘Stellar Banner’ carregado com 300 mil toneladas de minério da Vale, que exportaria a carga para a China, encalhou a cerca de 60 km (32 milhas náuticas, segundo a Marinha)  do litoral do Maranhão na última segunda-feira (24). Em comunicado à imprensa feito na manhã desta quinta –feira (27) a Marinha informa que já foram identificados dois vazamentos na embarcação, mas não especifica se é minério de ferro, óleo combustível ou ambos que estão contaminando as águas do Atlântico.

O comunicado da Marinha diz ainda que o encalhe ocorreu próximo à boia nº 01 da baía de São Marcos; que a tripulação já foi retirada com segurança do navio e que a Vale enviou rebocadores ao local para prevenir vazamentos. A Marinha pede também que pescadores e moradores das áreas costeiras informem a instituição caso vejam sinais de contaminação das águas e praias.

É improvável, caso o navio afunde e toda carga se espalhe no mar, que a contaminação impacte o litoral capixaba. Tanto pelo distância – cerca de 3 mil km pelo mar em medição no Google Earth – quanto pelas correntes marinhas que atuam na região do encalhe.

Porém é uma situação em que o Espírito Santo também está vulnerável, pois assim como o Maranhão, o estado possui portos para exportação de minério onde atracam navios gigantescos de porte semelhante ao Stellar Banner. Um desses portos é o de Tubarão, operado pela Vale, localizado em Vitória e perto do limite com a Serra.

O outro porto é o de Ubu, gerido pela Samarco (Vale+BHP) em Anchieta, sul do ES. O porto de Ubu está sem operar desde o final de 2015 por conta do rompimento da barragem de rejeitos da Samarco em Mariana-MG, mas há previsão de que volte a funcionar com o retorno das atividades da mineradora projetado para o 2º semestre deste ano.

A reportagem acionou a assessoria de imprensa da Vale pedindo mais informações sobre o incidente com o navio no Maranhão. Se a empresa retornar, terá seu posicionamento publicado neste espaço.

Comentários

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Mais notícias

PIB capixaba cai 12,2% no segundo trimestre, aponta Federação

A economia capixaba teve um recuo de 12,2% no segundo trimestre. O número da estimativa divulgada na última terça-feira (15) pela Federação das Indústrias...

Com isolamento social despencando, Serra registra três novas mortes e 112 casos de coronavírus em 24h

Sendo a segunda cidade do Espírito Santo com o maior número de casos confirmados e mortes por coronavírus, a Serra registrou, em apenas 24...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!