21.1 C
Serra
sábado, 11 de julho de 2020

Democracia e Lei Orçamentária Anual é tema do ‘Justificando’

Leia também

Serra ultrapassa 9 mil casos confirmados e já possui 358 mortes causadas pela Covid-19

Seguindo na vice-liderança de casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, a Serra já ultrapassou a triste marca de...

Prefeitura abre vacinação contra gripe para todos os moradores da Serra

Após finalizar a campanha de vacinação contra a gripe Influenza, a Secretaria Municipal de Saúde ampliou a imunização para...

Empresa de segurança que aluga cães é denunciada por abandono na Serra

Após receber denúncias de abandono de animais de propriedade de uma empresa de segurança que trabalha com aluguel de...
Helio Maldonadohttps://www.portaltemponovo.com.br
Advogado e Especialista em Direito Público


Antes de anunciar seu recesso legislativo, período em que os seus vereadores ficarão de férias até fevereiro de 2020, nessa semana que passou, a Câmara Municipal de Serra votou a Lei Orçamentária Anual da Prefeitura para o próximo ano. Isto é, a definição legal da expectativa de uma receita total de aproximadamente 1,7 bilhões de reais, e seus correspondentes gastos autorizados dentro desse limite. Essa informação consta do site da Câmara. E acompanha a notícia uma foto de todos os edis sorridentes, com a afirmação que foram incluídas 187 emendas dos parlamentares no orçamento da Prefeitura. O leitor, acostumado no ano de 2019 a assistir a acirrada disputa (ou combate) Prefeitura versus Câmara, pergunta se isso significa mais do mesmo para o ano de 2020? Ou seja, se ao a Câmara apresentar o vultuoso número de 187 emendas ao orçamento da Prefeitura houve por parte da mesma uma violação à independência, e, por conseguinte, harmonia, entre esses dois poderes?

Respondemos, com segurança, que ao menos por essa exclusiva razão, não. Peremptoriamente não. Para isso devemos elucidar ao leitor que a Lei Orçamentaria Anual, na sua iniciativa para o processo legislativo, é de competência privativa do Prefeito. É Audifax quem elaborou essa Lei e encaminhou para Rodrigo Caldeira e seus pares votá-la, veiculando na mesma a estimativa de arrecadação de recursos pela Prefeitura no ano de 2020, para promover seus respectivos gastos com despesas de custeio de todos os órgãos da Administração, além de prover com esses recursos a saúde, educação, segurança, moraria e renda para a população serrana. Ademais, esse planejamento fiscal estratégico da Prefeitura necessita estar em consonância com o Plano Plurianual do Executivo, com prazo de duração de 04 anos de um mandato: o seu macro plano de Governo.

Logo, a participação da Câmara na aprovação do orçamento anual da Prefeitura representa um mecanismo democrático de controle externo da responsabilidade fiscal do Prefeito de Serra. E mais, em contrapartida, a participação na elaboração do orçamento anual da Prefeitura, por meio da introdução de emendas impositivas por parte de parlamentares, em percentual ainda que ínfimo, pois próximo a um por cento, amplia a participação popular na gestão da Cidade, porque as emendas impositivas feitas pelos Vereadores de Serra ao orçamento da Prefeitura tem o condão precípuo de atender imediatamente as necessidades das comunidades do Município que estes individualmente representam.

Comentários

Mais notícias

Prefeitura abre vacinação contra gripe para todos os moradores da Serra

Após finalizar a campanha de vacinação contra a gripe Influenza, a Secretaria Municipal de Saúde ampliou a imunização para todos os moradores da Serra. ...

Empresa de segurança que aluga cães é denunciada por abandono na Serra

Após receber denúncias de abandono de animais de propriedade de uma empresa de segurança que trabalha com aluguel de cães de raça, localizada no...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!