20.3 C
Serra
sábado, 06 de junho de 2020

Crime não se combate com crime

Leia também

Mudanças no primeiro escalão da Prefeitura da Serra

Dois secretários municipais, Luciana Malini e Jolhiomar Massariol, foram remanejados entre secretarias da Mulher e da Coordenadoria de Governo...

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Repercutiu em todo o país a fala do deputado estadual Capitão Assumção (PSL) feita na tribuna da Assembleia Legislativa do ES (Ales). Fardado, o PM parlamentar encomendou na semana passada, em alto e bom som, o assassinato de um homicida que tirou a vida de uma mulher na frente da filha dela de quatro anos. Interpelado por um jornalista após a declaração, reforçou-a, dizendo que só não dobraria a oferta de R$ 10 mil porque não teria o dinheiro.

Mais do que absurda, a declaração é criminosa. Duplamente. Primeiro, porque Assumção é deputado. Segundo, porque estava com a farda de uma instituição que deve representar a lei e não a subversão dela. No Estado de Direito, não cabe exceção: crime não se combate com crime, e sim com os aparatos legais disponíveis, sob pena de retrocesso à barbárie.

Se Assumção tivesse usado o parlatório para defender mudanças na lei, visando instituir pena de morte usando o caso do assassinato da mulher para justificar a tese, estaria dentro das regras do jogo. Apesar de que tal discussão seria adequada a nível federal, pois é nesta esfera que se legisla acerca do tema.

Mais do que críticas de diferentes lideranças, inclusive da própria PM e de colegas deputados, o comportamento do capitão suscitou a abertura de investigação na corregedoria da Ales por quebra de decoro, o que pode levar à cassação do mandato. Difícil afirmar que isso vai acontecer, pois é um processo mais político que técnico.

E é exatamente essa conjuntura política que encorajou Assumção, que espera ter mais ônus eleitorais e do que bônus com a jogada. Basta lembrar que o próprio presidente Bolsonaro (PSL), ainda quando era candidato durante a campanha em 2018, falou em metralhar adversários. Ou a imagem burlesca do governador Wilson Witzel (PSL), do Rio de Janeiro, comemorando diante das câmeras, como um artilheiro que fez um gol, após a polícia matar o sequestrador de um ônibus.

Tão grave quanto os discursos de incitação ao crime, sob a justificativa de combater a violência, é o apoio de parte expressiva da população a esse tipo de liderança. A história já mostrou que isso não dá bom.

Comentários

Mais notícias

Serra liberada para investir dinheiro da taxa de luz no combate à covid-19

O município também irá investir em obras e pagamento de precatórios. Valor é referente a 30% da Cosip

Está na Câmara projeto que cria auxílio emergencial de R$ 400 para moradores da Serra

O município da Serra poderá ter seu próprio auxílio emergencial destinado aos moradores financeiramente mais afetados pela crise decorrente do coronavírus. Isso porque já...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!