• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados
22.9 C
Serra
quinta-feira, 04 março - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 41.410 casos
  • 767 mortes
  • 40.067 curados

Contarato diz que chefe do Ministério Público atua como ‘advogado de Bolsonaro’

Leia também

Festival Voadora terá 12 shows autorais com destaques da música capixaba  

Cento e oitenta e seis projetos foram inscritos para o processo de seleção do Festival Voadora, cujas apresentações acontecem entre...

Detran implanta exame teórico digital na Ciretran Serra Sede e facilita vida de moradores

O município da Serra receberá mais uma Sala de Exames Teóricos digital do Departamento Estadual de Trânsito do Espírito...

Vereador defende regulamentação do serviço de mototáxi na Serra

  Por meio do Projeto Indicativo de Lei 43/2021, o vereador Pablo Muribeca (Patriota) defende a regulamentação do serviço de...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Senador capixaba, Fabiano Contarato acusa Procurador-Geral de omissão. Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O posicionamento considerado ‘omisso’ do Procurador-Geral da República, Augusto Aras, sobre a conduta de Jair Bolsonaro na crise sanitária provocada pelo coronavírus e fracassos na vacinação contra a doença tem gerado críticas entre autoridades nacionais. Uma delas é o senador capixaba, Fabiano Contarato (Rede), que induziu que o chefe do Ministério Público Federal (MPF) esteja protegendo o presidente e atuando como ‘dublê de engavetador’.

Em suas redes sociais, Contarato ainda afirmou que Augusto Aras está manchando a reputação do MPF. “É pavorosa e desesperadora a omissão do Procurador-Geral da República diante do caos do desgoverno na pandemia. Augusto Aras atua como dublê de engavetador que protege o presidente da República de investigações necessárias de crimes de responsabilidade, atua como advogado de Bolsonaro e mancha duramente a reputação do Ministério Público Federal”, disse.

Ainda segundo o parlamentar, o Procurador-Geral da República não agiu para garantir que os brasileiros tenham direito a vacina. “O Ministério Público Federal é uma instituição que constitucionalmente existe para defender a população inclusive contra os maus gestores públicos. Aras não agiu para garantir a vacinação como direito constitucional à Saúde, preferiu silenciar enquanto o governo afundou o país na falta de vacina”, enumerou.

Nas últimas semanas, com a crise de desabastecimento de oxigênio e medicamentos no Amazonas, Augusto Aras foi instado e cobrado para investigar o presidente Jair Bolsonaro e o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, sobre supostas responsabilidades no caos que vive o estado, principalmente a cidade de Manaus.

Jair Bolsonaro e Augusto Aras. Foto: Agência Brasil

Em resposta, a Procuradoria-Geral da República divulgou uma nota onde afirma que compete ao congresso nacional a responsabilização de integrantes da cúpula dos Três Poderes por eventuais ilícitos no combate à Covid-19. O texto gerou repercussão negativa entre os poderes e foi duramente criticada por autoridades políticas.

As declarações também ganharam repercussão entre os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que classificam, que às vezes, Aras deixa a imparcialidade de lado e age alinhado ao chefe do Executivo nacional para tentar pavimentar um caminho a possível indicação ao Supremo.

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há seis anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Saiba mais
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!