23.4 C
Serra
quarta-feira, 05 de agosto de 2020

Conheça as plantas venenosas para seu cãozinho

Leia também

Ao custo de R$ 40 milhões, construção da nova Rotatória do Ó é iniciada na Serra

Com um investimento de R$ 40 milhões, a construção da nova Rotatória do Ó foi iniciada nessa semana em...

Desenhar tem sido fuga para menino autista de 13 anos superar pandemia da Covid-19

A arte tem sido a fuga de um menino portador de autismo que mora na Serra para enfrentar a...

Após 14 meses, Ceturb segue sem prazo para consertar “teto” escorado no Terminal de Carapina

Já se passaram 14 meses que a Ceturb instalou uma estrutura de andaime para escorar uma viga do teto...
Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Plantas como Comigo-ninguém-pode e Azaleia são tóxicas para cães. Foto: Divulgação

Você já se perguntou quais são as plantas tóxicas para seu melhor amigo? Cães são desbravadores, não é mesmo? Com bulbos, folhas, flores e caules não é diferente, seja por curiosidade ou até erupções dentárias, os pets mordiscam vegetais, ervas e tudo mais que encontram pela frente.

Até aí tudo bem, exceto se a planta escolhida colocar em risco a vida do animal, conforme explica a veterinária da Nutrire, Luana Sartori. “A intoxicação pode ocorrer com apenas uma mordida, dependendo do tipo de planta. Além disso, muitos são os motivos que levam o pet a procurar esses verdes para morder, pode ser estresse, desconforto intestinal ou o cheiro da própria planta”, conta.

Muitos tutores gostam de enfeitar o jardim ou até o apartamento com flores e plantas, mas para quem tem animais em casa todo cuidado é pouco.

A intoxicação causa irritação local na boca e garganta; produção excessiva de saliva, vômitos, dor abdominal e diarreia, tremores, convulsão e perda de coordenação, arritmia, taquipneia e dispneia e, ainda, icterícia, ressecamento da pele, fraqueza, desidratação e hipertermia. “A intensidade dos sintomas dependerá do tipo de planta e da quantidade mordiscada ou ingerida. Cães filhotes e idosos podem apresentar quadros mais severos”, acrescenta Luana.

Ao perceber que seu pet ingeriu ou mordiscou alguma dessas plantas, o ideal é levá-lo ao veterinário antes mesmo dos sintomas aparecerem. “A grande questão é que muitos tutores podem não ver no momento exato em que isso aconteceu, então, costumam encontrar o pet já bastante prejudicado pelos sintomas. O quanto antes esse animal for atendido, maiores são as suas chances de recuperação”, aconselha.

O ideal é que casas e apartamentos com animais estejam mais preparados para armazenar as plantas. “É possível cercar ou pendurá-las em locais onde os pets não alcançarão. O mesmo serve para os tutores de gatos, que podem ser ainda mais afetados pela toxicidade das plantas”, conclui Luana.

Confira a lista de algumas plantas vilãs para os cães:

Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia spp.)

Costela de Adão (Monstera deliciosa)

Jiboia (Scindapsus aureus)

Espada de São Jorge (Sansevieria trifasciata)

Bico de papagaio (Euphorbia pulcherrima)

Azaleia (Rhododendron spp.)

Folha da fortuna (Kalanchoe spp.)

Copo de leite (Zantedeschia aeothiopica)

Primula ou primavera (Primula abconica)

Lírio (Lilium spp. e Hemero-callis spp.)

Hortênsia (Hydrangeia macrophylla)

Mamona (Ricinus communis)

Coroa de Cristo (Euphorbia milii)

Dama da noite

Hibisco

Samambaia

Tulipa

Begônia

Babosa

 

Comentários

Redação Jornal Tempo Novo com informações de assessoriahttps://www.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Mais notícias

Desenhar tem sido fuga para menino autista de 13 anos superar pandemia da Covid-19

A arte tem sido a fuga de um menino portador de autismo que mora na Serra para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Guilherme...

Após 14 meses, Ceturb segue sem prazo para consertar “teto” escorado no Terminal de Carapina

Já se passaram 14 meses que a Ceturb instalou uma estrutura de andaime para escorar uma viga do teto do Terminal de Carapina, na...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!