25 C
Serra
domingo, 17 de novembro de 2019

Ceturb aperta o cerco para impedir pregações religiosas e vendas no Transcol

Leia também

Óleo já está em Nova Almeida e Jacaraípe e ameaça também água de serranos

Aconteceu. O petróleo que contamina há mais de dois meses a costa do Nordeste chegou às praias da Serra....

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Ceturb afirma que pregações religiosas e vendas de produtos são proibidas no Transcol. Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

O capixaba que nunca entrou em um coletivo do sistema Transcol e se deparou com algum passageiro ‘pregando’ sobre sua religião ou vendendo algum produto que atire a primeira pedra.  A cena é muito comum e se repete todos os dias dentro dos ônibus e também nos terminais, mas é proibida e a promessa da Ceturb é apertar o cerco contra quem pratica estes atos.

Incomodados com isso, serranos e usuários do Transcol entraram em contato com o TEMPO NOVO para reclamar sobre as manifestações religiosas e vendas de produtos dentro dos ônibus. Isadora Santos é uma das que utilizam os coletivos e se incomoda com esses atos.

“Acordamos cedo para ir ao trabalho e temos que se deparar e aceitar essa situação. Pessoas que vão pregar, maioria são evangélicos, ficam gritando dentro dos coletivos e pregando sobre sua crença. Isso incomoda, já que nem podemos reclamar porque se não eles falam que estamos com um ser maligno no corpo. É tenso”, afirma.

|Leia também: Rodoviários vão protestar contra ônibus sem cobrador nesta quarta (10)

Já Bárbara Medeiros, reclama da quantidade excessiva de vendedores ambulantes dentro dos coletivos. “Entram pelo menos de três a quatro vendedores em uma única viagem de Vitória a Laranjeiras. Concordo que todos precisam ter um meio de ganhar seu dinheiro para sustentar a família. Mas alguns vendedores, agem coagindo os passageiros. Eu mesma já fui coagida a comprar uma escova de dente, não comprei porque não tinha dinheiro no momento e o rapaz queria me obrigar a comprar, chegou a sentar do meu lado e me perguntar porque eu não compraria”, conta.

E essa não foi a única situação constrangedora que Bárbara teve que lidar. “Numa outra estava de fone de ouvido e não ouvi o vendedor falando comigo. O cara gritou e me chamou de retardada, perguntou se eu estava vivendo no mundo da lua. Não sou contra a venda de produtos, mas acho que os vendedores precisam respeitar mais a vontade do passageiro de querer ou não pegar o produto ou de comprar ou não determinada coisa”, disse.

Idalina Bonelli é outra que reclama da imposição dos vendedores e pregadores. “Peguei um ônibus em Nova Almeida uma vez onde um pastor entrou e começou a pregar. Algumas pessoas reclamaram e começou uma discussão, ele disse que quem não tivesse gostando, que ele não tinha medo de cara feia. É uma situação meio constrangedora, porque muitas vezes, estamos cansados e temos que ouvir uma determinada coisa que não estamos querendo naquele momento”.

O que diz a Ceturb

O TEMPO NOVO entrou em contato com a Ceturb, que por meio de nota, afirmou está apertando o cerco contra quem pratica essas ações. Disse ainda que a comercialização dentro de ônibus e terminais não é permitida. Além disso, “em função do Estado ser laico, também não são permitidas ações religiosas”, disse por meio de nota.

A Ceturb ainda garantiu que agentes da Companhia fazem a fiscalização e nos ônibus a orientação é para que motoristas e cobradores interfiram. Apesar disso, a Ceturb garante que recebe poucas reclamações de usuários através do Disque Ceturb (0800 039 1517).

O vendedor teve sua mercadoria jogada no chão. Foto: Divulgação

Confusão entre vendedor ambulante e fiscal no Terminal de Carapina

Um vendedor ambulante teve suas empadinhas derrubadas por um fiscal no Terminal Carapina, na Serra. A confusão aconteceu na manhã desta terça-feira (9) e chamou a atenção de quem circulava pelo local.

Pessoas que estavam no local, no momento do ocorrido, acusaram o fiscal de derrubar as empadas do jovem de forma intencional. Após o acontecimento, passageiros deram dinheiro para o vendedor ambulante que perdeu toda sua mercadoria.

Além disso, o jovem ganhou forte repercussão na internet, através de fotos e vídeos que foram espalhadas pelas redes sociais. Sobre o caso, a Ceturb confirmou por meio de nota que irá apurar o ocorrido.

Confira a nota da Ceturb na íntegra:

A Ceturb-ES informa que a comercialização de produtos dentro dos terminais ė proibida, conforme Decreto Estadual 3.549-R, de 2014, que trata do regulamento dos terminais. Além disso, a lei de licitações determina que espaços públicos sejam explorados mediante licitação. Dessa forma, a fiscalização da empresa aborda diariamente vendedores ambulantes que insistem em usar o espaço para comercialização.

Na manhã desta terça-feira (09), um ambulante, após ser abordado mais uma vez pela fiscalização, se recusou a sair. O fiscal segurou na alça da caixa que o vendedor levava e essa caiu no chão. Houve tumulto e a polícia foi acionada e todos foram para a delegacia para registrar o boletim de ocorrência. A Ceturb-ES vai apurar se houve abuso na conduta das partes envolvidas para adotar as medidas administrativas cabíveis.

Comentários

Mais notícias

Você adoça seu cafezinho?

Considerando que você utilize um sachê tradicional de 5 gramas por xícara e por dia consuma 3 xícaras de café, seu consumo diário de...

Barro na água faz Cesan interromper abastecimento na Serra

Os moradores da Serra, Fundão e Viana  vão ficar sem água nesta sexta-feira (15). Isto porque tem muito barro na água  e a alta...

Chuva alaga Vale e eleva risco de vazamento de rejeitos em Tubarão

Localizada na divisa entre Serra e Vitória, a planta industrial de Tubarão da Vale também não escapou dos alagamentos que atingem o ES por...

Fortes chuvas deixam 72 pessoas desalojadas no ES

Apesar de não ter causado grandes estragos na Serra, as fortes chuvas que estão caindo no Espírito Santo desde a madrugada da última quarta-feira...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
javascript:void(0)
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!