• CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 33.518 casos
  • 683 mortes
  • 32.183 curados
30.2 C
Serra
segunda-feira, 18 janeiro - 2021
  • CORONAVÍRUS NA SERRA:
  • 33.518 casos
  • 683 mortes
  • 32.186 curados

Aumenta procura por porte de arma na Serra após decreto

Leia também

Contarato chama Bolsonaro de ‘dublê de presidente’ e defende impeachment

O senador capixaba, Fabiano Contarato (Rede), subiu o tom contra o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro (sem partido), e...

Profissionais de saúde de hospital da Serra serão vacinados às 17 horas desta segunda

Funcionários que trabalham no Hospital Dr. Jayme dos Santos Neves, em Morada de Laranjeiras, na Serra, serão vacinados contra...

Oportunidade! Empresas abrem 173 vagas de emprego para moradores da Serra

Empresas da Serra abriram, nesta segunda-feira (18), 173 vagas de emprego com preferência para moradores da cidade. As oportunidades...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Feira de armas em Houston, nos EUA, país que é mais flexível com posse e porte de armas. (Foto: Agência Brasil)

O decreto do presidente Jair Bolsonaro (PSL) que ampliou o número de pessoas com direito a andar armadas fez aumentar a procura de serranos pelo porte de arma. Segundo o despachante de arma de fogo Luciano Freitas, que atende clientes de todo o Espírito Santo, o aumento foi entre 20 e 30% após a publicação do decreto, no último dia 7 de maio.

Luciano afirma que cerca de 10% das pessoas que procuram o serviço dele são da Serra e que, dentre esse público, foi também notado aumento dos contatos em cerca de 30%. “Ainda não está havendo a liberação de porte, porque falta a Polícia Federal normatizar a nova regra. Eles já estão recebendo os novos processos, mas ainda não estão emitindo o porte”, explica.

O despachante acrescenta que, apesar do aumento da procura, apenas três entre cada 10 pessoas que solicitam informações sobre como tirar o porte acabam fechando negócio. A reportagem pediu à Superintendência da Polícia Federal no ES números sobre novas solicitações para o porte após o decreto presidencial do último dia 7, tanto de moradores ou empreendedores da Serra quanto dos demais municípios do estado. Mas até o fechamento desta edição, na noite da última quinta-feira (16), não obteve retorno.

Para o secretário de Defesa Social da Serra, Nylton Rodrigues, a facilitação e a ampliação do porte podem reverter a tendência de queda dos assassinatos, que de 312 casos em 2017 reduziu para 187 no ano passado – queda de 40%. Nylton, que é coronel reformado da PM e já comandou a corporação no Espírito Santo, diz que 60% das armas apreendidas pela polícia na mão de bandidos são de origem legal. “O cidadão que anda armado vira alvo dos criminosos. Mais armas faz com que o preço no mercado negro também caia, tornando-as mais acessíveis para bandidos”, argumenta.

A Secretaria de Defesa Social do município não dispõe de dados sobre posse e porte de armas na cidade. Segundo a assessoria de imprensa do órgão, a Polícia Federal é quem tem esses números.

Mais gente armada e com calibres mais potentes

O decreto amplia o direito ao porte para profissionais como caminhoneiros, advogados, políticos e jornalistas de cobertura policial. Também facilita para colecionadores, atiradores desportivos e caçadores (CACs), e ainda libera para civis calibres até então restritos às forças armadas: 9mm; .40 e .44.

A nova regra altera também o Estatuto de Desarmamento, que exigia comprovação da efetiva necessidade para defesa do requerente, algo que deveria ser avaliado pela Polícia Federal. Agora, o governo é obrigado a emitir o porte bastando o requerente se enquadrar nos requisitos previstos no decreto. Outra mudança é que antes só podiam ser vendidas 50 munições/ano por pessoa. Agora, são mil.

Em 15 de janeiro, o presidente Jair Bolsonaro já havia baixado outro decreto facilitando a posse de armas, que é a manutenção dos armamentos em casas, comércios e sedes de propriedades rurais. Nos dias após o lançamento do decreto, a procura pela compra de armas na loja “Guerreiros”, situada em Carapina, aumentou em 30%, segundo um vendedor do estabelecimento que não permitiu a divulgação de seu nome.

Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!