26 C
Serra
segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Audifax denuncia “organizações para realização de boca de urna” na Serra

Leia também

Rede nacional diz que Serra vai ter candidato a prefeito e Audifax pode ser Governador

O Centro da Boa Convivência de Laranjeiras foi palco neste sábado (15) da Convenção Estadual da Rede Sustentabilidade. No...

Em evento concorrido, PSB confirma pré-candidatura de Bruno Lamas à Prefeitura da Serra

A Serra foi o município escolhido para o PSB do Espírito Santo dar o start oficial à sua Pr'é-campanha...

Violência em Vitória: “É totalmente possível que chegue à Serra”

Diante dos ataques que estão assustando moradores e comerciantes de Vitória, a populaça da Serra está em estado de...
Yuri Scardinihttps://www.portaltemponovo.com.br
Morador da Serra, Yuri Scardini é o editor de política do Tempo Novo. Além de sua área, o jornalista, escreve para outras editorias do portal.

Audifax vai pedir mais policiamento na Serra para a eleição do próximo domingo (07). Foto Jansen Lube

Nesta terça-feira (02), o prefeito da Serra Audifax Barcelos (Rede) e o procurador geral, Vitor Silvares, devem participar de uma reunião no Tribunal Regional Eleitoral (TRE). O objetivo é reforçar um pedido de fiscalização para as eleições deste ano. A informação da Secretaria de Comunicação da Serra é de que Audifax estaria preocupado com “organizações para realização de boca de urna”.

No texto, não sāo citados nomes e nem do que se trataria a suposta organização. Entretanto o documento relata que Audifax, durante a eleição de 2016, teria sofrido “violência, intolerância e deslealdade por alguns candidatos da Serra” e esse seria o motivo para reforçar o policiamento no município. Naquela eleição, Audifax e o ex-prefeito Sérgio Vidigal (PDT), atual deputado federal, protagonizaram uma disputa  acirrada e com várias acusações mútuas.

Segundo a nota, Audifax afirma que “não é justo que candidatos ficha limpa sejam punidos pelos ficha suja”. O texto afirma ainda que na semana passada, a prefeitura protocolou um pedido de reforço policial e fiscalização para o primeiro turno das eleições. A necessidade de reforçar tal pedido, segundo o prefeito, seria após a “constatação de, nas eleições para prefeito e vereador que aconteceram em 2016, foram verificadas práticas ilícitas de manifestação e distribuição de bens que influenciaram no voto dos eleitores”, o pode se caracterizar como compra de votos, que é crime eleitoral. E segue afirmando que neste ano, já teriam sido “identificadas organizações para realização de boca de urna”, o que é crime.

 “É injusto. Eu passei por isso em várias eleições e quero garantir que outros candidatos não sejam punidos por aqueles que desejam jogar sujo”, afirma Audifax.

A reportagem demandou a Secom para detalhar a denúncia, assim que for respondido será atualizado aqui.

 

Comentários

Mais notícias

Em evento concorrido, PSB confirma pré-candidatura de Bruno Lamas à Prefeitura da Serra

A Serra foi o município escolhido para o PSB do Espírito Santo dar o start oficial à sua Pr'é-campanha de 2020. Em um evento,...

Violência em Vitória: “É totalmente possível que chegue à Serra”

Diante dos ataques que estão assustando moradores e comerciantes de Vitória, a populaça da Serra está em estado de alerta. Temem que a violência...

Feira de adoção de animais, promoções e samba agitam shopping no fim de semana

Poucas semanas antes da chegada do Carnaval, o capixaba que está à procura de preços baixos tem uma chance imperdível: o It Bazar +...

Evento de fortões em Guriri vai ter serranos participando

Neste sábado (15) vai ter Treinão Strong Show, em Guriri, às 15h, na praça Wilson Gomes, e vai ter serrano participando do evento. Um deles...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem