25.3 C
Serra
sábado, 30 de Maio de 2020

Após 4 anos do desastre de Mariana, Casagrande cobra compensação e volta da Samarco

Leia também

Mais de 60 vagas de emprego no Sine da Serra na segunda (1)

Se você está procurando emprego o  Sine da Serra não está realizando atendimento presencial ao público, mas continua captando...

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de...

Com 569 mortes por Covid-19, Estado investiga outros 41 óbitos suspeitos

Quarenta e um óbitos estão sendo investigados no ES para saber se as pessoas morreram de Covid-19. O Espírito...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O desastre aconteceu em novembro de 2015. Foto: Fred Loureiro/Secom/ES

Quase quatro anos após o rompimento da barragem da Samarco (Vale +BHP) em Mariana (MG), o governador Renato Casagrande (PSB) cobrou mais ações de reparação e compensações ao Espírito Santo, atingido pela lama que devastou o rio Doce e contaminou o oceano Atlântico. Ele também defendeu o retorno das atividades da Samarco, paralisadas desde o desastre /crime ambiental da barragem de Fundão, em novembro de 2015.

A cobrança aconteceu durante visita do chefe do executivo capixaba a Minas na última terça-feira (6), quando se reuniu com o governador mineiro Romeu Zema (Novo) e representantes da Fundação Renova, entidade criada pela Samarco para gerir indenizações e reparações dos estragos causados pelo maior desastre da história da mineração no planeta. Casagrande também se encontrou com diretores da Samarco.

Segundo a assessoria de imprensa de Casagrande, o capixaba cobrou ações mais efetivas para a população ao longo da bacia do Rio Doce e defendeu o retorno das atividades da mineradora para a retomada da atividade econômica no ES, que além da crise nacional, teve sua economia profundamente afetada para paralisação das usinas de pelotização da Samarco em Anchieta e a interrupção da exportação do minério pelo porto de Ubu, desde então ocioso.

Entre 2015 e 2016, o PIB do Espírito Santo recuou 12,3%, segundo o IBGE. Em revisão posterior, o Instituto Jones Santos Neves apontou recuo real mais modesto, 5,3%. Ainda assim, é um tombo do qual a economia capixaba ainda não se recuperou. E esse impacto da paralisação da Samarco que chegou à Serra. Prestadoras de serviço e fornecedoras da mineradora instaladas no Serra perderam R$ 300 milhões em negócios anuais segundo estimativa da Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo (Findes).

Na reunião com a diretoria da Samarco, o governador capixaba ressaltou a necessidade do retorno das atividades da empresa. “A atividade econômica do Brasil é frágil; a Samarco é uma empresa importante para os dois estados e queremos o retorno das atividades rapidamente. Não queremos que os acionistas deixem de ter responsabilidade pelo desastre, mas a atividade econômica da empresa é importante que seja reativada. Achamos que está demorando muito para retomar”, disse.

Cobrança por reflorestamento e mais saneamento no Doce  

Já na reunião com a Fundação Renova, ocorrida pela manhã, Casagrande demonstrou preocupação com a lentidão das ações de reparação para os capixabas diretamente atingidos pela lama de rejeitos de minério e pediu mais agilidade. 

“A Fundação disse que a governança do próprio órgão, com os conselhos técnicos, acaba atrasando. A reunião de hoje teve membros dos dois governos, do Ministério Público e vamos ao presidente do Ibama na semana que vem, pois ele é presidente do comitê interfederativo. Queremos que o dinheiro seja aplicado mais rapidamente e deixe um caminho de desenvolvimento”, pontuou.

O governador capixaba fez coro ao colega mineiro e cobrou, também, obras de saneamento, água e esgoto, investimento na cobertura florestal e outras medidas que possam levar um desenvolvimento econômico e servir como compensação aos municípios da bacia do rio Doce por tanto estrago gerado pela lama, cujos efeitos ambientais, sociais e econômicos permanecem até hoje.

Além do governador Romeu Zema, também participou das reuniões o prefeito de Mariana (MG), Duarte Eustáquio Gonçalves Júnior, representando os municípios da região atingida pelo desastre.

 

 

Comentários

Mais notícias

Em entrevista, Audifax fala sobre medidas de combate ao coronavírus na Serra

A Serra tem tomado uma série de medidas em combate ao coronavírus (Covid-19), que vão desde a distribuição de máscaras e kits de limpeza...

Com 569 mortes por Covid-19, Estado investiga outros 41 óbitos suspeitos

Quarenta e um óbitos estão sendo investigados no ES para saber se as pessoas morreram de Covid-19. O Espírito Santo tem hoje (29), até...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!