17.1 C
Serra
sábado, 30 de Maio de 2020

Após 4 anos do desastre de Mariana, Casagrande cobra compensação e volta da Samarco

Leia também

Com 569 mortes por Covid-19, Estado investiga outros 41 óbitos suspeitos

Quarenta e um óbitos estão sendo investigados no ES para saber se as pessoas morreram de Covid-19. O Espírito...

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda

A partir da próxima segunda-feira - dia 1º de junho - os shoppings centers da Grande Vitória poderão abrir...

Sobe para 2.374 o número de casos confirmados de coronavírus na Serra

Continua subindo o número de casos confirmados de coronavírus na Serra. De acordo com a última atualização divulgada pela...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

O desastre aconteceu em novembro de 2015. Foto: Fred Loureiro/Secom/ES

Quase quatro anos após o rompimento da barragem da Samarco (Vale +BHP) em Mariana (MG), o governador Renato Casagrande (PSB) cobrou mais ações de reparação e compensações ao Espírito Santo, atingido pela lama que devastou o rio Doce e contaminou o oceano Atlântico. Ele também defendeu o retorno das atividades da Samarco, paralisadas desde o desastre /crime ambiental da barragem de Fundão, em novembro de 2015.

A cobrança aconteceu durante visita do chefe do executivo capixaba a Minas na última terça-feira (6), quando se reuniu com o governador mineiro Romeu Zema (Novo) e representantes da Fundação Renova, entidade criada pela Samarco para gerir indenizações e reparações dos estragos causados pelo maior desastre da história da mineração no planeta. Casagrande também se encontrou com diretores da Samarco.

Segundo a assessoria de imprensa de Casagrande, o capixaba cobrou ações mais efetivas para a população ao longo da bacia do Rio Doce e defendeu o retorno das atividades da mineradora para a retomada da atividade econômica no ES, que além da crise nacional, teve sua economia profundamente afetada para paralisação das usinas de pelotização da Samarco em Anchieta e a interrupção da exportação do minério pelo porto de Ubu, desde então ocioso.

Entre 2015 e 2016, o PIB do Espírito Santo recuou 12,3%, segundo o IBGE. Em revisão posterior, o Instituto Jones Santos Neves apontou recuo real mais modesto, 5,3%. Ainda assim, é um tombo do qual a economia capixaba ainda não se recuperou. E esse impacto da paralisação da Samarco que chegou à Serra. Prestadoras de serviço e fornecedoras da mineradora instaladas no Serra perderam R$ 300 milhões em negócios anuais segundo estimativa da Federação das Indústrias do Estado do Espírito Santo (Findes).

Na reunião com a diretoria da Samarco, o governador capixaba ressaltou a necessidade do retorno das atividades da empresa. “A atividade econômica do Brasil é frágil; a Samarco é uma empresa importante para os dois estados e queremos o retorno das atividades rapidamente. Não queremos que os acionistas deixem de ter responsabilidade pelo desastre, mas a atividade econômica da empresa é importante que seja reativada. Achamos que está demorando muito para retomar”, disse.

Cobrança por reflorestamento e mais saneamento no Doce  

Já na reunião com a Fundação Renova, ocorrida pela manhã, Casagrande demonstrou preocupação com a lentidão das ações de reparação para os capixabas diretamente atingidos pela lama de rejeitos de minério e pediu mais agilidade. 

“A Fundação disse que a governança do próprio órgão, com os conselhos técnicos, acaba atrasando. A reunião de hoje teve membros dos dois governos, do Ministério Público e vamos ao presidente do Ibama na semana que vem, pois ele é presidente do comitê interfederativo. Queremos que o dinheiro seja aplicado mais rapidamente e deixe um caminho de desenvolvimento”, pontuou.

O governador capixaba fez coro ao colega mineiro e cobrou, também, obras de saneamento, água e esgoto, investimento na cobertura florestal e outras medidas que possam levar um desenvolvimento econômico e servir como compensação aos municípios da bacia do rio Doce por tanto estrago gerado pela lama, cujos efeitos ambientais, sociais e econômicos permanecem até hoje.

Além do governador Romeu Zema, também participou das reuniões o prefeito de Mariana (MG), Duarte Eustáquio Gonçalves Júnior, representando os municípios da região atingida pelo desastre.

 

 

Comentários

Mais notícias

Shoppings da Grande Vitória poderão abrir a partir de segunda

A partir da próxima segunda-feira - dia 1º de junho - os shoppings centers da Grande Vitória poderão abrir as portas com restrições que...

Sobe para 2.374 o número de casos confirmados de coronavírus na Serra

Continua subindo o número de casos confirmados de coronavírus na Serra. De acordo com a última atualização divulgada pela Secretaria de Estado da Saúde...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!