26.8 C
Serra
segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Ambientalistas denunciam caça, trilha de moto e desvio de água no Mestre Álvaro

Leia também

Novo surto de dengue | Confira a ‘Charge do TN’ desta semana

Um aviso emitido pelo Ministério da Saúde deixou diversos municípios capixabas em alerta, inclusive a Serra. Isso porque 11...

Poesia e música no Centro Cultural, em São Diogo, neste sábado

Neste sábado (18), às 18 horas, acontece a primeira edição do Sarau do Beco do Centro Cultural Eliziário Rangel,...

Prazer, sou doutor – Confira ‘O Nó da Gravata’ desta sexta

A coluna 'O Nó da Gravata' é escrita pela repórter de política, Maria Nascimento. Os textos são publicados...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Ativistas ambientais que costumam frequentar o Mestre Álvaro reclamam da falta de fiscalização por parte do poder público no monte que é uma Área de Proteção Ambiental (APA) e possui cerca de 800 hectares de mata Atlântica e abriga centenas de espécies de animais silvestres e plantas.

Segundo eles, vem acontecendo desmatamentos no monte, sem que a Prefeitura da Serra tome providências. “E existem denúncias, mas não vejo ninguém da Secretaria de Meio Ambiente olhando por aquilo ali”, conta um ativista que não será identificado por questões de segurança.

Outra denúncia é a prática de motocross nas trilhas do monte. Essa  atividade é proibida por lei, desde outubro de 2017, mas segundo frequentadores do local, a existência da proibição e das placas que sinalizam não inibe os praticantes do esporte. “Acontece principalmente do lado das trilhas de Pitanga, já chamamos a Ambiental, mas nunca vieram”, reporta outro ambientalista que também não será identificado por questões de segurança.

Outros problemas também acontecem no Mestre Álvaro que possui 833  metros de altitude. “Tem desvio de água de nascentes. Acampamentos de religiosos que nunca pararam de acontecer e eles desmatam para montar as barracas no local onde querem orar.  Fora isso, tem os caçadores, encontramos frequentemente materiais utilizados por pessoas que caçam nas trilhas”, denuncia.

Tem ainda a reclamação das trilhas que são utilizadas por turistas que vão conhecer o monte e estão precárias. “As trilhas estão ruins, a subida no topo, na pedra que dá acesso, precisa de atenção da Prefeitura, poderia ser feita uma subida com mais segurança. É um local que atrai muito turismo e está totalmente jogado ao tempo”, reclama.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura da Serra que disse que a Fiscalização de Meio Ambiente atua em parceria com a Polícia Ambiental e não identificou sinais de acampamentos na região.

Também disse que a Secretaria de Meio Ambiente está realizando um estudo de melhorias das trilhas, que deverá ser concluído em breve.

Denúncias podem ser feitas pelos telefones: 0800-2839780 / 3291-7413 ou 99951-2321.

Comentários

Mais notícias

Poesia e música no Centro Cultural, em São Diogo, neste sábado

Neste sábado (18), às 18 horas, acontece a primeira edição do Sarau do Beco do Centro Cultural Eliziário Rangel, em São Diogo. O evento...

Prazer, sou doutor – Confira ‘O Nó da Gravata’ desta sexta

A coluna 'O Nó da Gravata' é escrita pela repórter de política, Maria Nascimento. Os textos são publicados todas as sextas-feiras na edição...

Acabou o tempo de Audifax | Leia o editorial do Tempo Novo

Por Yuri Scardini  Está marcado para logo após o Carnaval (final de fevereiro) a revelação do prefeito Audifax Barcelos (Rede) sobre o escolhido para defender...

Apocalipse das águas | Leia o editorial do Tempo Novo

Por Bruno Lyra Estudo do pesquisador Ângelo Fraga Bernardino, do Departamento de Oceanografia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), confirmou a contaminação crônica por...

Você também pode ler

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!