[secondary_title]

Você sabia que restaurantes possuem limite de atraso nos pedidos?

Um direito básico de qualquer pessoa que frequenta um estabelecimento é ser atendido com cortesia e ser informado de forma satisfatória do tempo de entrega. Consumidores informados são verdadeiros professores , afirma a advogada Dra. Amanda Campos, que traz dicas imperdíveis nesta matéria, confira!

- PUBLICIDADE-
restaurante
Imagem: Divulgação
Por Amanda Campos

Esperar já não é muito legal. Esperar com fome é o suficiente para deixar qualquer um sem paciência. Acrescente à fome o desleixo de um atendente que se quer dá uma satisfação, aí pode ficar fora de controle, certo?

Quem nunca passou pela situação chata de sair com a família ou com amigos e o passeio virar um caos pela demora excessiva? Mas qual é o limite do restaurante? Como saber se no seu caso foi algo típico ou se tornou um desrespeito?

Todo estabelecimento comercial possui a obrigação de prestar algumas informações como preço, eventuais taxas embutidas e o tempo médio de espera.

Nessa, e em qualquer outra situação, vale o bom senso, tanto do restaurante que estará representado por quem vai lhe atender, quanto o seu como cliente.

Seu pedido é de fácil preparo? Como por exemplo um açaí com frutas ou uma moqueca que exige diferentes preparos e tempo de cozimento?

O Código de Defesa do Consumidor não determina um limite, uma vez que depende do preparo. O limite será o próprio cliente que irá impor, baseado no contexto e principalmente nas informações prévias dadas pelo garçom.

Caso passe o tempo que você considere adequado, a lei é clara em informar que o cliente pode ir embora sem necessitar pagar o que ainda não chegou, devendo pagar apenas o que efetivamente consumiu.

Entrou no restaurante, saiba exatamente o que você deve fazer a partir de hoje!

Passo a passo de como agir:

  • Assim que finalizar o pedido (antes mesmo de saber se irá demorar ou não), questione ao garçom a previsão. Guarde essa informação;
  • Assim que passar o prazo dado, pergunte com educação se aconteceu alguma eventualidade (pois pode acontecer). Aqui a resposta não vale ‘a casa está cheia’;
  • O prazo passou e não houveram justificativas plausíveis? Informe com educação que você deseja o cancelamento e irá pagar o que consumiu;
  • Caso o estabelecimento seja desinformado e force você ao pagamento de algo que não veio, informe que você tem ciência que isso fere o seu direito e irá acionar o Procon. Caso haja constrangimento (por exemplo pessoas alheias escutando) e insistência de pagamento, informe que acionará a justiça. Se chegar a este ponto, vale já acionar o gravador ou até mesmo fazer vídeo se o cenário já estiver fora do seu controle.

 

O importante é você agora entrar em qualquer estabelecimento sabendo desse direito. Ah, e vale para Delivery também! Sempre pergunte na mensagem qual prazo de entrega.

 

Então, nada de ficar com medo ou vergonha de ir embora ou cancelar. Quem está sendo violado é você. O estabelecimento tem a obrigação de gestão e é encargo do dono do restaurante administrar a quantidade de funcionários com a quantidade de clientes que podem chegar.

Como advogada alerto que ainda existe a cultura, principalmente aqui no Espírito Santo, de não realizar as reclamações no Procon, não usar dos canais de reclamação on-line, não deixar avaliações no Google. Tudo isso faz com que aquele estabelecimento não se eduque e siga ferindo direito de outros consumidores.

A partir de hoje, passou por essa situação, não saia no prejuízo! Acione ao Procon, avalie o estabelecimento com poucas estrelas e até mesmo na página deles nas redes sociais (com modéstia). Sentiu que foi além do aceitável? Sentiu-se constrangido? Procure um advogado especialista e relate. Além dos danos materiais, ainda existe a possibilidade do restaurante lhe indenizar moralmente!

Não perca os próximos assuntos:

Perdi minha comanda, e agora?

Sentei ao lado do Cover, sou obrigado a pagar? Gorjeta, legal ou abuso?

Esses e muitos outros direitos serão informados regularmente nesta coluna O direito é meu!

Dra. Amanda Campos
Advogada com atuação especializada em direito do consumidor
Contato: amandacamposdj@gmail.com

+ Realidade do RJ é trágica, mas abre excelentes oportunidades econômicas para Serra

...

Proprietária de cervejaria destaca a importância de mulheres neste mercado

Com um mercado essencialmente masculino, a cervejaria ainda encontra obstáculos para inserção de mulheres nesse setor. A proprietária de uma das cervejaria mais renomadas...

Reiki, massoterapia e ioga no Serra + Cidadã deste sábado (18)

  Neste sábado (18), no Serra + Cidadã, que acontece das 9 às 16 horas, em Cidade Pomar, os moradores da região poderão usufruir de...

Justiça manda prender motorista que matou adolescente atropelada

O Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES) determinou nesta sexta-feira (17) a prisão preventiva do motorista que atropelou e matou Karen Moreira Barbosa....

Motorista de Transcol é agredida em briga de trânsito na Serra

Uma motorista de ônibus Transcol, de 40 anos, foi agredida por um homem durante uma briga de trânsito, no bairro Hélio Ferraz, na Serra. O...

Golfinho é encontrado morto na praia de Manguinhos, na Serra

Um golfinho foi encontrado morto na praia de Ponta dos Fachos, em Manguinhos, na Serra. O animal, achado por moradores na manhã desta sexta-feira...

Peça “Os Últimos Dias de Paupéria” será encenada no Eliziário Rangel, na Serra

Neste sábado (18), às 19 horas, o Centro Cultural Eliziário Rangel, em São Diogo, na Serra, abre suas portas para uma jornada teatral com...

Dupla Erick & Warley é a primeira atração da Sertaneja da Wild West na Serra

A programação da Cervejaria Wild West, em São Diogo, na Serra, vai ser diferente nesta sexta-feira (17). A casa promove pela primeira vez a...

Música ao vivo na feirinha de Colina de Laranjeiras neste final de semana

Neste final de semana, tem Feirinha Gastroartes, na sexta e no sábado na pracinha de Colina de Laranjeiras. Na sexta-feira (17), o som fica por...