22 C
Serra
sexta-feira, 10 de julho de 2020

Servidores do ES podem parar a partir desta terça (15)

Leia também

Com 365 moradores infectados, Feu Rosa já possui 18 mortes pela Covid-19

Mais de 360 moradores infectados e 18 mortes causadas pela Covid-19. Esses são os assombrosos números que fazem Feu...

Serra já possui 8.930 moradores infectados e 353 mortos pelo coronavírus

A Serra continua sendo a segunda cidade com mais moradores infectados e mortos pelo coronavírus em todo o Espírito...

Estado soma 467 casos de Covid-19 em instituições de idosos

Dados do último levantamento feito pelo Centro de Apoio Cível e Defesa da Cidadania (CACC) do Ministério Público do...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

 

Manifestação dos servidores no último dia 07 de setembro durante o desfile cívico. Foto: Divulgação/ Sindipúblicos
Manifestação dos servidores no último dia 07 de setembro durante o desfile cívico. Foto: Divulgação/ Sindipúblicos

Clarice Poltronieri

Se você precisar usar algum serviço do Governo do Estado esta semana é bom ficar atento. É que está programado um ‘apagão’ dos serviços públicos de amanhã (15) até a próxima sexta (19).  Trata-se de uma paralisação de parte dos servidores públicos estaduais em protesto contra cortes de gastos, a política salarial do Governo e o não pagamento do tíquete alimentação.

Profissionais da segurança pública, da saúde, do judiciário, das autarquias e demais secretarias devem participar do ‘apagão’. Às 14h desta terça, está previsto ato em frente à Secretaria de Agricultura, no Forte São João em Vitória, com distribuição de panfletos e chuchus.

Segundo a assessoria de imprensa do Sindicato dos Servidores Públicos do Estado do Espírito Santo (Sindipúblicos), as 19 entidades integrantes do Fórum das Entidades dos Servidores Públicos do Espírito Santo (Fespes) devem aderir ao movimento.

A previsão é de que apenas os serviços estaduais de urgência e emergência sejam mantidos durante esses dias e a orientação do Fespes é de que a população evite sair de casa para buscar atendimento nos órgãos estaduais nestes dias.

O movimento faz parte da campanha “Hartung, esse abraço eu não quero”, que protesta contra os cortes do Governo Estadual em diversas áreas.

O Sindicato dos Médicos do Espírito Santo (Simes) informou que os médicos não vão aderir ao movimento e atenderão normalmente. Mas o atendimento deverá ser prejudicado, pois os demais trabalhadores na área de saúde vão aderir.

Segundo o Sindicato dos Trabalhadores da Saúde do Espírito Santo (Sindisaúde), que engloba enfermeiros, técnicos e outros profissionais da saúde, a partir das 5h de amanhã (15) os servidores atenderão apenas nas urgências e emergências, cumprindo os 30% exigidos por lei.

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado do Espírito Santo (Sindipol) também vai aderir, mas apenas depois da assembleia de amanhã (15), às 11h, serão definidas a adesão e as ações do movimento.

Já o Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Espírito Santo (Sindijudiciário) informou que os cartórios e fóruns manterão os 30% de atendimento e na quinta-feira (17) haverá uma assembleia, às 13h, com paralisação dos serviços.

As escolas estaduais funcionarão normalmente. Segundo a assessoria do Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Espírito Santo (Sindiupes), os professores não irão parar.

Governo diz que negocia com Sindicatos

A Assessoria de Relações Sindicais do Governo do ES, informa pela assessoria de imprensa que as negociações com os sindicatos dos servidores públicos estão em andamento de forma responsável e adequada à política de ajuste fiscal, necessária ao reequilíbrio das contas públicas.

A assessoria afirma que neste momento, o compromisso do Governo é manter o pagamento dos salários dos servidores em dia. E essa meta, buscada incessantemente por esta gestão, evitará que aconteça no Espírito Santo o que já vem sendo registrado em vários Estados do País, onde os salários estão sendo parcelados, atrasados ou estão sendo adotadas medidas severas para honrar as folhas de pagamento.

Sobre o movimento sindical, o Governo reconhece a sua legitimidade e acredita que ele ocorrerá dentro da lei, sem comprometer a normalidade da prestação de serviços aos cidadãos capixabas.

 

Comentários

Mais notícias

Serra já possui 8.930 moradores infectados e 353 mortos pelo coronavírus

A Serra continua sendo a segunda cidade com mais moradores infectados e mortos pelo coronavírus em todo o Espírito Santo. De acordo os últimos...

Estado soma 467 casos de Covid-19 em instituições de idosos

Dados do último levantamento feito pelo Centro de Apoio Cível e Defesa da Cidadania (CACC) do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES)...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!