Serra perdeu estigma e virou ‘eldorado’ da classe média, diz estudo

0
Serra perdeu estigma e virou 'eldorado' da classe média, diz estudo
Laranjeiras e entorno: região foi que a mais recebeu empreendimentos voltados para classe média a partir dos anos 2000. Foto: Arquivo TN/Joatan Alves

Por Floria Antônia Soares

A partir dos anos 2000 a Serra foi perdendo estigma de lugar longe e inóspito para os capixabas de classe média das regiões urbanas mais tradicionais e passou a atrair esse perfil de morador, principalmente para condomínios fechados. É o que aponta estudo do Departamento de Geografia da UFES (Universidade Federal do Espírito Santo).

O estudo foi publicado em artigo intitulado ‘Produção do espaço e migração em grandes aglomerações urbanas: o caso de Serra-ES’, assinado pelo Prof. Dr. Ednelson Dota em parceria com o aluno de doutorado Francismar Ferreira.  O estudo comparativo entre os anos 90 e 2000, a partir do censo de 2010, aponta que taxa de crescimento geométrico médio anual durante o período 2000 a 2010 fora de 2,45. O que significa dizer que de cada 100 mil moradores, houve acréscimo de mais 2,4 mil por ano, fato influenciado tanto pelo fato de ter mais nascimento que mortes (crescimento vegetativo) quanto pela chegada de imigrantes a cidade.

Neste trabalho, os autores buscam discutir a mudança no perfil dos novos migrantes para Serra provocada pelos novos empreendimentos imobiliários da região. O estudo aponta que até os anos 90 a maior parte dos novos moradores eram de baixa renda provenientes de outros estados ou do interior capixaba. “Dos anos 2000 em diante, percebe-se a chegada de migrantes com origem da capital Vitória, com uma maior renda, e em busca de condomínios fechados e dos novos empreendimentos imobiliários”, explica Ednelson.

Segundo o pesquisador, tal dinâmica reflete diretamente na produção econômica e cultural serrana, como também na maneira que é visto pelos demais municípios. “Referido por muito tempo como uma região estigmatizada, hoje o município tem tornando-se local de referência de acesso a produtos variados como é o caso de Laranjeiras, um subpolo regional comercial. Além disso, há o aumento de ofertas de serviços de lazer e entretenimento, como também de alta complexidade em serviços de saúde”, acrescenta.

O Prof. Dr. Ednelson Dota projeta também que com a finalização da obra do contorno do Mestre Álvaro aja ainda  um maior fluxo de migrantes em busca de novas opções de consumo e residência. Todo o trabalho realizado pelo grupo de pesquisa e extensão, além de dados demográficos do ES podem ser conferidos através do site https://blog.ufes.br/demografia/.

Universidade entre as melhores

A Universidade Federal do Espírito Santos (Ufes), acaba de entrar para o ranking das melhores universidade do mundo organizado pela Times Higher Education, contemplando o time das 46 universidades brasileiras presentes na lista.

A Ufes ganhou o status em ranking publicado no último dia 11 de setembro e que levou em consideração variados critérios como indicadores de desempenhos das universidade, tais como o  ensino, pesquisa, presença em citações, transferência de conhecimento e projeção internacional, como informa o site da própria Ufes.

 

Comentários