23.4 C
Serra
quarta-feira, 05 de agosto de 2020

Serra perde mais de oito mil vagas de emprego

Leia também

Novo condomínio de R$ 35 milhões pode gerar até 200 vagas de emprego na Serra

Um investimento de R$ 35 milhões e a expectativa de geração de até 200 vagas de empregos diretos. Esse...

Ao custo de R$ 40 milhões, construção da nova Rotatória do Ó é iniciada na Serra

Com um investimento de R$ 40 milhões, a construção da nova Rotatória do Ó foi iniciada nessa semana em...

Desenhar tem sido fuga para menino autista de 13 anos superar pandemia da Covid-19

A arte tem sido a fuga de um menino portador de autismo que mora na Serra para enfrentar a...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Os setores de serviços, construção civil e indústria de transformação puxaram a fila dos que mais perderam vagas de trabalho no município. Foto: Arquivo TN / Bruno Lyra

Bruno Lyra

A mistura entre crise econômica nacional; paralisação da Samarco e a consequente redução das atividades de terceirizadas e fornecedoras instaladas na Serra; saída do centro de distribuição da Petrobrás; estagnação do mercado imobiliário local e o fim do Fundap, redundaram numa combinação venenosa para o mercado de trabalho no município: Em onze meses, 8.331 vagas de emprego foram fechadas.

O dado é do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e se refere ao período entre dezembro de 2015 e novembro de 2016. Em valores absolutos, o desempenho da Serra, que é considerada a locomotiva econômica do Estado, só não foi pior que o da capital, Vitória, que viu 8.701 vagas de trabalho serem fechadas no mesmo período.

O balanço do Caged aponta que entre dezembro de 2015 e novembro de 2016 foram contabilizadas 49.763 admissões e 58.094 demissões na Serra. Desta queda na geração de vagas com carteira assinada na Serra, 1.839 foi da indústria de transformação, o que representou 22,5% de todas as perdas de postos de trabalho do segmento no Estado.

A construção civil também teve queda radical: 1.908 carteiras assinadas a menos, 28% do todo ES. A prestação de serviços teve recuo de 3.108 carteiras assinadas, cerca de 20% do total do Estado.

Para José Carlos Zonatelli Queiroz, vice-presidente da Federação das Indústrias do ES (Findes), na Serra, o fato da cidade ser a mais industrializada e deter 23% do PIB capixaba explica os números elevados do desemprego, que acabam repercutindo nos demais setores da economia.

“Quando há retração econômica, a indústria puxa os números para baixo. Do mesmo jeito que os eleva quando há crescimento. Estamos num cenário difícil, na Serra há muitas empresas que prestam serviços aos principais players do estado, como Samarco e Petrobras. Com a paralisação da Samarco, terceirizadas que tinham 100, 150 colaboradores precisaram demitir. Isso aconteceu também com a redução das atividades da Petrobrás no estado”, explica.

Samarco e Petrobras podem puxar retomada

Para Zanotelli, apesar do cenário ainda muito negativo, 2017 pode ser um ano bom para a indústria e a geração de emprego na Serra.

“Os licenciamentos da Samarco em Mariana caminham para a resolução e a empresa pode retomar as atividades no 2º semestre”. Por parte da Petrobrás, a alta do barril de petróleo deve incentivar a empresa a retomar investimentos e fazer novos.

Enquanto esse novo cenário não acontece, Zanotelli diz que a Findes trabalha junto aos seus associados para que melhorem seus processos. “A ordem agora é sobreviver. As empresas precisam focar em aumento de produtividade, novos modelos de negócios, além da capacitação”, sintetiza. 

Comentários

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.
Artigo anteriorAudifax deu as cartas
Próximo artigoSintoma ruim

Mais notícias

Ao custo de R$ 40 milhões, construção da nova Rotatória do Ó é iniciada na Serra

Com um investimento de R$ 40 milhões, a construção da nova Rotatória do Ó foi iniciada nessa semana em Parque Residencial Laranjeiras. A obra,...

Desenhar tem sido fuga para menino autista de 13 anos superar pandemia da Covid-19

A arte tem sido a fuga de um menino portador de autismo que mora na Serra para enfrentar a pandemia do novo coronavírus. Guilherme...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!