26 C
Serra
quarta-feira, 08 de abril de 2020

Samarco faz alerta sobre risco de novo rompimento em barragem

Leia também

Serra tem oito novos casos de coronavírus e registra 41 pacientes infectados

Subiu novamente o número de casos confirmados do novo coronavírus na Serra. De acordo com a última atualização divulgada...

Serra avalia se vai decretar ponto facultativo na quinta

Após o governador Renato Casagrande (PSB) decretar ponto facultativo no Espírito Santo para a próxima quinta-feira (9), a Prefeitura...

Instituto prevê chuva e vento forte na Serra

Após dias de muito calor, o restante da semana dos capixabas devem ser de chuva e ventos fortes nas...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

 

O desastre/crime ambiental da Samarco foi o maior do país e um dos piores na história da humanidade. Foto: Agência Brasil
O desastre/crime ambiental da Samarco foi o maior do país e um dos piores na história da humanidade. Foto: Agência Brasil

As consequências da maior tragédia/crime ambiental da história do país podem piorar. É que a Samarco (Vale + BHP Billiton) emitiu alerta na tarde desta quarta (27) que os resíduos da extração de minério de ferro estocados na barragem de Fundão em Mariana – MG, se deslocaram.

O deslocamento seria consequência da intensidade das chuvas que atingem a região há semanas. Segundo a assessoria de imprensa da mineradora os empregados que trabalhavam no local foram orientados a sair e as defesas civis dos municípios mineiros de Mariana e Barra Longa foram acionadas.

A Samarco diz que os resíduos que deslocaram permanecem entre as barragens de Santarém (acima) e Fundão (abaixo). Esta última se rompeu no dia 05 de novembro do ano passado, destruiu a vila de Bento Rodrigues e parte da cidade de Barra Longa matou 18 pessoas, deixou cerca de 450 famílias desabrigadas e devastou o rio Doce e o litoral capixaba.

Até hoje a Samarco não conseguiu estancar o vazamento de resíduos, ainda que em quantidade pequena se comparada à ocasião do rompimento, para o leito do rio Doce. Enquanto isso o manancial permanece impregnado de rejeitos de minério, continuam a contaminar o oceano Atlântico, já tendo atingido a reserva marinha de Abrolhos, no Sul da Bahia, as reserva das Algas e de Santa Cruz no ES, indo até Guarapari. O litoral da Serra também foi afetado.

A mineradora diz que, mesmo com o deslocamento dos resíduos, reafirma que as estruturas das barragens de Germano e Santarém permanecem estáveis.

Comentários

Mais notícias

Serra avalia se vai decretar ponto facultativo na quinta

Após o governador Renato Casagrande (PSB) decretar ponto facultativo no Espírito Santo para a próxima quinta-feira (9), a Prefeitura da Serra informou que está...

Instituto prevê chuva e vento forte na Serra

Após dias de muito calor, o restante da semana dos capixabas devem ser de chuva e ventos fortes nas cidades capixabas, incluindo na Serra....

Tire suas dúvidas sobre o auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal

O governo começa a pagar na quinta-feira (9) a primeira parcela do auxílio emergencial de R$ 600 para pessoas inscritas no Cadastro Único (CadÚnico)...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem