Propostas ambientais de Bolsonaro geram reações pelo país e mundo | Portal Tempo Novo

Serra, 19 de novembro de 2018

Portal Tempo Novo - O Portal da Serra, ES

Meio Ambiente

Serra, 26 de outubro de 2018 às 9:28

Propostas ambientais de Bolsonaro geram reações pelo país e mundo

Por Bruno Lyra
[email protected]

Desmatamento entre a lagoa Juara e o rio Reis Magos na região de Putiri (Serra): receio de devastação generalizada no país. Foto: Foto: arquivo TN/Bruno Lyra 26/07/2016

As propostas para o meio ambiente do candidato Jair Bolsonaro (PSL) tem gerado reações no país e até fora dele. Favorito a vencer a eleição presidencial deste domingo (28), o candidato quase não aborda o tema em seu programa de Governo, mas tem falado publicamente em extinguir o Ministério do Meio Ambiente, afrouxar o controle sobre o desmatamento na Amazônia, em abandonar acordo internacional para redução de gases estufas. O presidenciável também critica reservas ambientais, indígenas, além de afirmar que vai acabar com o “ativismo ambiental xiita”. 

Uma das reações mais contundentes veio dos ex-ministros do Meio Ambiente de 1992 a 2016. Em artigo intitulado “Não podemos desembarcar do mundo” publicado na Folha de São Paulo no último dia 22, os ex-ministros fazem duras críticas às propostas e ideias de Bolsonaro e alertam para o risco de isolamento político e prejuízos comerciais. E exortam o candidato a rever o posicionamento caso eleito. 

Assinam o texto os ex-ministros José Goldemberg (1992), Rubens Ricupero (1993 a 1994), Gustavo Krause (1995 a 1998), Sarney Filho (1999 a 2002), José Carlos Carvalho (2002), Marina Silva (2003 a 2008), Carlos Minc (2008 a 2010), Isabela Teixeira (2010 a 2016).

As propostas de Bolsonaro tiveram reações negativas até de seus apoiadores e defensores do agronegócio. Caso do atual Ministro da Agricultura e um dos maiores produtores de soja do país, Blairo Maggi. Em declaração repercutida na imprensa nacional, Maggi disse que a fusão do Ministério da Agricultura com o de Meio Ambiente defendida pelo candidato “é algo perigoso de se fazer”.

A mais conhecida entidade de luta ambiental do mundo, o Greenpeace, também se manifestou publicamente contra as propostas. A ong é coautora nota divulgada no último dia 15 de outubro, assinada por cerca de 4 mil entidades da sociedade civil, criticando a fala do candidato de que deseja acabar com o ativismo no país. 

O alerta também vem do campo científico. E em forma de estudo publicado no último dia 17  pelos pesquisadores brasileiros Aline Soterroni e Fernando Ramos, pelo norte americano Michael Obersteiner e pelo austríaco Stephen Polasky. Eles alertam que se Bolsonaro for eleito e manter as propostas, o desmatamento da Amazônia chegará a 256 mil km2 (quase seis vezes o tamanho do ES) em 10 anos, o que corresponde a um terço de tudo o que já foi derrubado da floresta no Brasil em 500 anos.

O estudo usou o mesmo modelo matemático aplicado para o Brasil assinar o Acordo de Paris, que visa a redução dos gases causadores do aquecimento global. Para os pesquisadores, se esse volume de desmate for confirmado, o Brasil terá perdido 1 milhão de km de floresta Amazônica, o que pode deflagrar o temido gatilho da savanização do bioma. 




O que você acha ?

Você acredita no sucesso do governo Bolsonaro?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...

Veja também

Portal Tempo Novo

Rua Euclides da Cunha, 394 - sl 103 e 104 - Laranjeiras, Serra, ES

CEP:29165-310 - Tel: 27 3328-5765

Todos os direitos reservados ao Jornal Tempo Novo © Desenvolvido por