20.3 C
Serra
quinta-feira, 06 de agosto de 2020

Por erro médico em bebê hospital é condenado a pagar R$ 16 mil de indenização

Leia também

Análise: Xambinho, entre a juventude e a maturidade para lançar uma pré-candidatura independente

Aos 33 anos, o deputado mais jovem da Assembleia, Alexandre Xambinho (PL) se vê diante do momento mais importante...

Polícia Militar atendeu 6.124 ocorrências na Serra durante o mês de julho

Durante os 31 dias do mês de julho na Serra a Polícia Militar realizou 1.677 operações. Os dados foram...

Novo condomínio de R$ 35 milhões pode gerar até 200 vagas de emprego na Serra

Um investimento de R$ 35 milhões e a expectativa de geração de até 200 vagas de empregos diretos. Esse...
Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Um bebê que teve uma fratura na área da clavícula durante seu nascimento teve a ação ajuizada por sua mãe julgada procedente pela 2ª Vara Cível da Serra, e será indenizado em R$ 16 mil por danos morais. A reparação veio após a mulher ter sido atendida, de acordo com os autos, por um estudante de medicina enquanto estava em trabalho de parto.

A indenização deverá ser paga pelo hospital onde a mulher foi atendida e pelo médico responsável pelo plantão à época dos fatos, sendo acrescida de juros e correção monetária. Os requeridos ainda irão ressarcir a família com os valores gastos com os tratamentos médicos aos quais os bebê foi submetido.

Ainda de acordo com as informações do processo, a mãe do bebê chegou a uma unidade de saúde sentindo fortes contrações, o que indicava que ela estava prestes a dar à luz, momento em que foi internada e conduzida para a sala de pré-natal do hospital. Na petição, a mulher ainda sustenta que, mesmo sentindo muitas dores, teve que chegar à sala de cirurgia caminhando, sem qualquer auxílio por parte da equipe médica do local.

Durante o momento em que esteve aguardando o atendimento médico, a mulher teria sido assistida por um acadêmico que, sem supervisão de outros profissionais, além da falta de experiência, teria realizado os procedimentos errados, ocasionando a fratura no bebê.

Tudo teria acontecido por conta da suposta negligência do médico plantonista, que não se encontrava na sala para prestar os devidos atendimentos, razão pela qual a mulher foi atendida pelo estudante.

O juiz entendeu que as provas juntadas aos autos foram suficientes para comprovar a negligência dos citados na ação como requeridos. Ainda de acordo com o magistrado, a criança, por conta do incidente, terá que conviver com sequelas da lesão sofrida durante seu nascimento.

Comentários

Ana Paula Bonellihttps://www.portaltemponovo.com.br
Moradora da Serra, Ana Paula Bonelli é repórter do Tempo Novo há mais de 15 anos. Atualmente, a jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Polícia Militar atendeu 6.124 ocorrências na Serra durante o mês de julho

Durante os 31 dias do mês de julho na Serra a Polícia Militar realizou 1.677 operações. Os dados foram divulgados pelo 6º Batalhão da...

Novo condomínio de R$ 35 milhões pode gerar até 200 vagas de emprego na Serra

Um investimento de R$ 35 milhões e a expectativa de geração de até 200 vagas de empregos diretos. Esse é o impacto econômico do...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!