21.3 C
Serra
quarta-feira, 21 de outubro de 2020

Pedras gigantes ameaçam Pitanga e Divinópolis

Leia também

Vidigal promete vigiar poluição do ar, ampliar reservas ambientais e revisar PPP do esgoto

Com a bagagem de já ter sido prefeito três vezes da Serra Sérgio Vidigal (PDT) volta a disputar o...

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30%...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem...
Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

 

pedras
Uma das pedras (destaque) sobre pitanga: explosões de mineradoras aumentam riscos de deslizamentos, diz morador. Foto: Renato Ribeiro

Por Renato Ribeiro

Não é só Vila Velha que tem áreas de risco de deslizamento de pedras, onde um bloco de 3 mil toneladas destruiu casas e deixou cerca de 400 pessoas desalojadas na última semana. Na Serra há perigo em pelo menos dois bairros: Pitanga e Divinópolis.

Erguido aos pés do Mestre Álvaro, há muitas pedras grandes soltas – os chamados matacões – na parte alta do bairro. Abaixo dessas pedras, casas.

“Essa preocupação de nossa comunidade é antiga. Já alertamos a Defesa Civil no passado sobre a possibilidade de deslizamento de uma rocha aos fundos de uma rua do bairro onde há inúmeras residências. Temos duas mineradoras que atuam no bairro e o tremor das explosões preocupa ainda mais, pois podem fazer as pedras mexerem e deslizarem”, alerta o presidente da Associação de Moradores, Luiz Henrique Fernandes.

Morador do bairro há 73 anos, o Sr. João Duarte Fernandes, diz que nos períodos de chuva os moradores ficam apreensivos. “Se uma das pedras descer, pelo tamanho que tem, vai derrubar as casas que estão em seu caminho até chegar à rua”, adverte.

Outro bairro que também vive a mesma situação é Divinópolis, que fica na região da Serra-sede, aos pés do morro do Vilante. Segundo o seu Líder comunitário, Rogério Rodrigues da Silva, a Defesa Civil já esteve no local avaliando as pedras. “Há casas construídas embaixo delas”, relata.

O diretor da Defesa Civil da Serra, Olimar Rosa da Silva, disse que tem realizado inspeções nas duas comunidades. A previsão é que seja feito um laudo da situação até a próxima semana. No momento em que a reportagem visitava o bairro Pitanga, na última quinta (07), a Defesa Civil fazia vistoria no local.

“Estivemos em Pitanga analisando a área de risco e estaremos visitando o bairro Divinópolis novamente. A partir do relatório que finalizaremos na próxima semana, será possível a definição de ações de contenção e até mesmo de erradicação dos riscos de deslizamento”, concluiu Olimar, que também é capitão de Corpo de Bombeiros.

 

 

 

Gabriel Almeidahttps://www.portaltemponovo.com.br/
Morador da Serra, Gabriel Almeida é repórter do Tempo Novo há mais de quatro anos. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal.

Mais notícias

Com 133 casos em nove meses, assassinatos crescem 30% na Serra  

A violência não dá trégua na Serra. Entre janeiro e setembro, 133 pessoas foram assassinadas na cidade, numero 30% maior que no mesmo período...

Time de Colina de Laranjeiras é o campeão do Brasileiro da Serra

O Colina Futebol Clube é o atual campeão Brasileiro da Serra. Criado em 2017, time de futebol amador tem três anos de história, mas...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!