24.5 C
Serra
quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Ong quer revisão de dados sobre poluição da Vale

Leia também

Janela eleitoral para vereadores começa dia 5 de março

Começa no dia cinco de março o prazo para vereadores trocarem de partido sem o risco de complicações com...

Vereador da Serra pode justificar falta com atestado médico e sem aprovação do plenário

Vereadores da Serra não precisam mais submeter atestados médicos a apreciação do plenário para justificar a ausência. A Câmara...

Império de Fátima é campeã e desfila na sexta em 2021

A escola de samba Império de Fátima sagrou-se campeã do Grupo de Acesso B que desfilou na última quinta-feira...
Vilson Vieira Jrhttps://www.portaltemponovo.com.br%20
Morador da Serra, Vilson Vieira Junior é repórter do Tempo Novo. Atualmente, o jornalista escreve para diversas editorias do portal, principalmente para a de Esporte.

Poluição por pó preto aflige moradores da Serra e da Grande Vitória. Foto: Arquivo TN

A Ong Juntos SOS Ambiental ES protocolou no Ministério Público do Espírito Santo (MPES), na última segunda feira (22), pedido para que o órgão cobre a revisão do Inventário de Emissões Atmosféricas da Região da Grande Vitória do Instituto Estadual de Meio Ambiente (Iema), referente a 2015, mas divulgada somente no último dia 10 de julho. A entidade argumenta que o volume de pó preto e gases gerados na planta da Vale em Tubarão não contabilizou os dados das usinas I e II, que estavam paradas na ocasião e teriam retornado as operações somente em 2018.  

Representante da Ong, Eraylton Moreschi, diz que os dados também revelam outro problema. A poluição da Vale mostrada pelo Inventário do Iema está acima do que foi previsto pelo Estudo de Impacto Ambiental (EIA) feito por ocasião da expansão produtiva das usinas I a VII e para a construção da usina VIII, mesmo estando paradas as duas primeiras unidades pelotizadoras no ano de 2015.

O ativista também questiona a legalidade da emissão da Licença de Operação (LO) emitida em 2014 pelo Iema para a usina VIII da mineradora. Segundo ele, houve intervalo de mais de sete anos entre a emissão da Licença de Instalação (LI), concedida em 21 de junho de 2007, e a liberação da LO, ocorrida em 8 de agosto de 2014. Pela regra, esse prazo tem de ser no máximo de seis anos.

Eraylton destaca, ainda, que, diante do quadro, a Ong pediu ao Iema a interdição das atividades de pelotização de minério de ferro nas usinas de I a VIII da Vale, em Tubarão, e acionou o MPES para acompanhar o caso.

A reportagem acionou o Iema e a Vale, mas nem a assessoria de imprensa do órgão estadual nem a da mineradora deram retorno até o horário de fechamento da edição às 18h de ontem (25).  

Comentários

Mais notícias

Vereador da Serra pode justificar falta com atestado médico e sem aprovação do plenário

Vereadores da Serra não precisam mais submeter atestados médicos a apreciação do plenário para justificar a ausência. A Câmara aprovou durante a sessão desta...

Império de Fátima é campeã e desfila na sexta em 2021

A escola de samba Império de Fátima sagrou-se campeã do Grupo de Acesso B que desfilou na última quinta-feira (13) no Sambão do Povo,...

EDP anuncia falta de energia em bairros da Serra nesta quinta e sexta

Durante esta semana, muitas comunidades da Serra ficarão sem energia por um determinado período. Isso porque a EDP Espírito Santo irá realizar uma manutenção...

Festa carnavalesca vai misturar samba, marchinha e eletrônica em Manguinhos

Quer curtir um Carnaval diferente? Em Manguinhos vai ter samba, marchinha e um atrativo a mais que é a música eletrônica, e claro, a...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem