25.4 C
Serra
terça-feira, 14 de julho de 2020

O que é certo e o que é errado no comércio informal | Avenida  Central de Laranjeiras x camelôs

O autor é Rodolfo Gavassoni - Administrador, Presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) Jovem Serra

Leia também

Obra de urbanização da orla de Bicanga deve ser entregue em outubro, diz Prefeitura

As obras de urbanização da orla de Bicanga devem ser entregues em outubro, segundo a Prefeitura da Serra. O...

Pastor de igreja da Serra morre por causa da Covid-19

Uma das duas vítimas da Serra que perderam a batalha contra o coronavírus na última segunda-feira (13) foi o...

Em meio à pandemia, passageiros são obrigados a enfrentar ônibus superlotados na Grande Vitória

Evitar aglomerações, principalmente em ambiente fechados, é uma das principais recomendações das autoridades para frear a proliferação do coronavírus....
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Avenida Central de Laranjeiras sem camelôs, depois da ação da Prefeitura na última segunda (16). Foto: Ana Paula Bonelli

Como é de conhecimento dos munícipes da Serra-ES, a Avenida Central de Laranjeiras passa por um momento delicado. Os órgãos competentes, tem feito ações para inibir o comercio informal (camelô).

Em análise está a realidade de dois aspectos distintos.

O número de desempregado no País é de 11,8% e atinge 12,6 milhões de pessoas. O número de empregados do setor privado sem carteira assinada (11,7 milhões), atingiu recorde e subiu nas duas comparações: 3,9% frente ao trimestre anterior e 5,6% em relação ao mesmo trimestre de 2018. A categoria dos trabalhadores por conta própria também bateu recorde da série histórica (iniciada em 2012), alcançando 24,2 milhões de pessoas no período – Fonte IBGE.

Rodolfo Gavassoni é administrador e presidente da CDL Jovem Serra. Foto: Divulgação

Outro aspecto a ser analisado, são os comerciantes formais, geradores de empregos, pagadores de tributos, que movimentam a economia local. Dos 1.328 pequenos e médios empresários ouvidos em pesquisa do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) e Santander Brasil para o cálculo do Índice de Confiança dos Pequenos e Médios Negócios (IC-PMN) do terceiro trimestre, 39,23% disseram que o maior empecilho macroeconômico para a evolução de seu negócio é a carga tributária vigente no País.

Os dados são alarmantes! São pais de famílias que estão em busca de uma oportunidade de emprego para o sustento do seu lar. Aceitável que o desespero pode levar a informalidade como única fonte de renda e em contrapartida o peso que a carga tributária vigente no país representa, acompanhamos de perto os percalços enfrentados pelo comércio local.

Após a exposição dos dados referente aos aspectos acima relacionados, podemos afirmar que a situação do comércio informal (camelô) é preocupante, e precisa ser tratada com prudência e empatia. Deve-se, no entanto, estar atento há não ocorrências de práticas ilegais de comércio.

Sabemos que muitos dos produtos comercializados nesse mercado informal não tem procedência nem garantias e não geram arrecadação de tributos ao município, sendo ainda agravado a situação pela localização de comercialização que trabalham nas calçadas, frente aos comércios lojistas, e na ocupação de vagas de estacionamento rotativo ao longo da Avenida.

A favor sempre do empreendedorismo, do desenvolvimento do comércio local, da geração de emprego formal e do crescimento da nossa Cidade, situações como essa precisam ser dialogadas por Órgãos Competentes e a Sociedade Civil.

O autor é Rodolfo Gavassoni – Administrador, Presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) Jovem Serra

Comentários

Mais notícias

Pastor de igreja da Serra morre por causa da Covid-19

Uma das duas vítimas da Serra que perderam a batalha contra o coronavírus na última segunda-feira (13) foi o pastor Derly da Silva. O...

Em meio à pandemia, passageiros são obrigados a enfrentar ônibus superlotados na Grande Vitória

Evitar aglomerações, principalmente em ambiente fechados, é uma das principais recomendações das autoridades para frear a proliferação do coronavírus. Mas para o trabalhador que...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!