26 C
Serra
segunda-feira, 06 de abril de 2020

O que é certo e o que é errado no comércio informal | Avenida  Central de Laranjeiras x camelôs

O autor é Rodolfo Gavassoni - Administrador, Presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) Jovem Serra

Leia também

Serra tem mais dois casos de coronavírus e doença cresce 7% em um dia no ES

A Serra tem mais dois casos confirmados do novo coronavírus, saltando de 31 para 33 o número de pacientes...

Casagrande nomeia Alexandre Ofranti para a Secretaria de Segurança

O coronel da Polícia Militar do Espírito Santo (PM-ES), Alexandre Ofranti Ramalho, assume nesta terça-feira (7) o posto de...

Serra registra 2 mil moradores infectados por dengue e intensifica combate

Com risco de ter um novo surto de dengue neste ano, a Serra já registrou 2.402 casos da doença...
Redação Jornal Tempo Novohttp://WWW.portaltemponovo.com.br
O Tempo Novo é da Serra. Fundado em 1983 é um dos veículos de comunicação mais antigos em operação no ES. Independente, gratuito, com acesso ilimitado e ultra regionalizado na maior cidade do Estado.

Avenida Central de Laranjeiras sem camelôs, depois da ação da Prefeitura na última segunda (16). Foto: Ana Paula Bonelli

Como é de conhecimento dos munícipes da Serra-ES, a Avenida Central de Laranjeiras passa por um momento delicado. Os órgãos competentes, tem feito ações para inibir o comercio informal (camelô).

Em análise está a realidade de dois aspectos distintos.

O número de desempregado no País é de 11,8% e atinge 12,6 milhões de pessoas. O número de empregados do setor privado sem carteira assinada (11,7 milhões), atingiu recorde e subiu nas duas comparações: 3,9% frente ao trimestre anterior e 5,6% em relação ao mesmo trimestre de 2018. A categoria dos trabalhadores por conta própria também bateu recorde da série histórica (iniciada em 2012), alcançando 24,2 milhões de pessoas no período – Fonte IBGE.

Rodolfo Gavassoni é administrador e presidente da CDL Jovem Serra. Foto: Divulgação

Outro aspecto a ser analisado, são os comerciantes formais, geradores de empregos, pagadores de tributos, que movimentam a economia local. Dos 1.328 pequenos e médios empresários ouvidos em pesquisa do Insper (Instituto de Ensino e Pesquisa) e Santander Brasil para o cálculo do Índice de Confiança dos Pequenos e Médios Negócios (IC-PMN) do terceiro trimestre, 39,23% disseram que o maior empecilho macroeconômico para a evolução de seu negócio é a carga tributária vigente no País.

Os dados são alarmantes! São pais de famílias que estão em busca de uma oportunidade de emprego para o sustento do seu lar. Aceitável que o desespero pode levar a informalidade como única fonte de renda e em contrapartida o peso que a carga tributária vigente no país representa, acompanhamos de perto os percalços enfrentados pelo comércio local.

Após a exposição dos dados referente aos aspectos acima relacionados, podemos afirmar que a situação do comércio informal (camelô) é preocupante, e precisa ser tratada com prudência e empatia. Deve-se, no entanto, estar atento há não ocorrências de práticas ilegais de comércio.

Sabemos que muitos dos produtos comercializados nesse mercado informal não tem procedência nem garantias e não geram arrecadação de tributos ao município, sendo ainda agravado a situação pela localização de comercialização que trabalham nas calçadas, frente aos comércios lojistas, e na ocupação de vagas de estacionamento rotativo ao longo da Avenida.

A favor sempre do empreendedorismo, do desenvolvimento do comércio local, da geração de emprego formal e do crescimento da nossa Cidade, situações como essa precisam ser dialogadas por Órgãos Competentes e a Sociedade Civil.

O autor é Rodolfo Gavassoni – Administrador, Presidente da Câmara dos Dirigentes Lojistas (CDL) Jovem Serra

Comentários

Mais notícias

Casagrande nomeia Alexandre Ofranti para a Secretaria de Segurança

O coronel da Polícia Militar do Espírito Santo (PM-ES), Alexandre Ofranti Ramalho, assume nesta terça-feira (7) o posto de secretário de Segurança Pública. Ramalho substitui...

Serra registra 2 mil moradores infectados por dengue e intensifica combate

Com risco de ter um novo surto de dengue neste ano, a Serra já registrou 2.402 casos da doença somente em 2020. Felizmente, sem...

Em meio à pandemia, EDP vai deixar bairros da Serra sem energia

A pandemia gerada pelo novo coronavírus não está impedindo que a EDP Espírito Santo suspenda energia de bairros da Serra. Durante esta semana, muitas...

Número de pacientes curados do coronavírus sobe para 38 no ES

Dos 194 casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, 38 pacientes já estão curados da doença. A afirmação é da Secretaria de Estado da...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
close-link
close-link
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem