22.1 C
Serra
sábado, 15 de agosto de 2020

Material radioativo da Petrobras pode ter vazado com incêndio, admite órgão

Leia também

Audifax diz que obra da rotatória de Maringá será entregue nos próximos dias

Após não cumprir a promessa de entregar a obra da Rotatória de Maringá no final de julho, a Prefeitura...

Morador cobra sinalização de ruas em Barcelona há um ano

Faixas de pedestre apagadas, quebra molas e vagas prioritárias de idosos e  deficientes físicos sem pintura, e ausência de...

Morador da Serra pega coronavírus pela segunda vez e fica internado na UTI

Quando o paciente é infectado pelo coronavírus e consegue vencer a doença, logo acredita estar imunizado contra o vírus,...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

O material estava armazenado de forma irregular, segundo o Ibama no depósito da empresa que fica no TIMS. Foto: Divulgação leitor

O incêndio no depósito da Petrobras no TIMS pode ter liberado substâncias radioativas no ambiente. A informação é da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN) que, na última quinta – feira (07), disse que amostras de água e solo recolhidas no local estão sob análise em laboratório no Rio de Janeiro.  O CNEN é órgão federal ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia.

O incêndio começou na tarde do último dia 27 de janeiro e só foi apagado mais de 24 horas depois, às 19h e 30 do dia 18. E além de bóias plásticas usadas na extração de petróleo no mar, atingiu 992 tambores contendo Radio-226 (Ra-226) e Rádio-228 (Ra-228), segundo o CNEN.

O fogo gerou intensa fumaça negra que foi vista e sentida em vários bairros da Serra e cidades vizinhas. Ventava forte naqueles dias. Em nota à reportagem na tarde de ontem (07), o CNEN disse que o material é uma borra de óleo residual contendo traços de rochas radioativas. É rejeito da extração de petróleo no mar, cuja denominação é NORM (Naturally-Occurring Radioactive Materials ) – Material Radioativo de Origem Natural.

Chamados pelo Corpo de Bombeiros na ocasião do incêndio, o órgão informou que fez medição no local e constatou que as taxas de doses de radiação no local estavam situadas na faixa do background (radiação natural). E solicitou da Petrobras um relatório da ocorrência.

O CNEN disse que a análise laboratorial servirá para saber se houve dispersão de materiais radioativos na água e no solo, uma vez que o líquido foi usado pelos bombeiros para controlar as chamas. A região do TIMS tem solo de turfa e as águas drenam para o Canal dos Escravos. Dali, para os manguezais do Lameirão, que formam reservas ambientais. Esse ambiente é parte da baía de Vitória.

O CNEN disse ainda que como o material está na borra oleosa, a “probabilidade de dispersão é pequena”.

Pesquisador alerta para riscos no solo e na água

O físico nuclear e pesquisador da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), Marcos Tadeu Orlando, mandou equipe ao local assim que soube do incêndio pela imprensa. “Levamos dispositivos que construímos com equipamentos russos e israelenses. Usamos drones para sobrevoar a área e não deu para distinguir que se propagou algo diferente do natural”, disse.

Segundo Marcos, a avaliação foi feita em relação ao ar. Não abrangeu solo e água, resposta que só a análise do laboratório do Instituto de Radiodosimetria, no Rio de Janeiro, que está sendo feita a pedido do CNEN, pode dar.  “O laboratório é uma referência. Foram eles que analisaram o caso do Césio 137 em Goiânia, maior episódio de contaminação radioativa do país (ocorrido em 1987)”, frisa.

Marcos Tadeu ressaltou que o Rádio 226 e o Rádio 228 da Petrobras são de baixa intensidade e não oferecem tanto risco, como no caso do Césio de Goiânia. Mas é preciso atenção com o solo e água, principalmente pelo risco de contaminação do lençol freático.

O pesquisador acrescenta que por lei esse tipo de rejeito deve ser armazenado em cápsulas em local controlado por pelo menos 200 anos. E que inclusive, deve-se ter cuidado especial na impermeabilização do solo.

Ibama aponta irregularidade

Na semana passada o analista ambiental do Ibama, Fábio Murilo Wagnitz, disse que os resíduos estavam armazenados de forma irregular. E que o órgão deverá autuar a Petrobras. O CNEN, por sua vez, disse que o material armazenado provisoriamente cumpria as normas reguladoras. “No entanto, este material deveria ter sido transferido para o depósito temporário de alvenaria na própria instalação desde agosto de 2018, data em que a Divisão de Rejeitos da CNEN autorizou esta transferência”, diz nota enviada ontem (07) à redação.

Já a Petrobras disse, por sua assessoria de imprensa, que o material não fornece riscos e que será recondicionado de acordo com as normas.

 

 

Comentários

Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Mais notícias

Morador cobra sinalização de ruas em Barcelona há um ano

Faixas de pedestre apagadas, quebra molas e vagas prioritárias de idosos e  deficientes físicos sem pintura, e ausência de faixa divisora de fluxo de...

Morador da Serra pega coronavírus pela segunda vez e fica internado na UTI

Quando o paciente é infectado pelo coronavírus e consegue vencer a doença, logo acredita estar imunizado contra o vírus, mas não foi isso que...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!