27.1 C
Serra
terça-feira, 31 de março de 2020

Lama da Vale derruba produção industrial no ES e impacta Serra

Leia também

Mais um paciente está curado do coronavírus no ES, diz governo

Dos 85 casos confirmados de coronavírus no Espírito Santo, 13 pacientes já estão curados da doença. A afirmação é...

Moradora de Valparaíso preocupada com aglomeração de pessoas em feira orgânica do bairro

Uma moradora de Valparaíso que não quis se identificar está preocupada com o número de pessoas que se aglomeram...

Supergasbras diz que não vai haver desabastecimento de gás no ES

    Um vídeo tem circulado em redes sociais e grupos de whatsapp desde a noite da última segunda (30). No...
Bruno Lyrahttps://www.portaltemponovo.com.br
Repórter do Tempo Novo há mais de 10 anos, Bruno Lyra escreve para diversas editorias do portal, principalmente Economia e Meio Ambiente, das quais é o responsável.

Instalações da Vale no Complexo de Tubarão, localizado entre Vitória e Serra. Foto: Divulgação/Vale

O rompimento da barragem de rejeitos da mineração da Vale em Brumadinho  – MG em janeiro de 2019 afetou a indústria no Espírito Santo e, consequentemente, a economia da mais industrializada cidade do estado, a Serra. Dados do IBGE apresentados na última terça-feira (11) pela Federação das Indústrias do ES (Findes) apontam retração de 15,7% na produção industrial capixaba em 2019. Número muito acima do desempenho da produção industrial em todo o Brasil, que teve recuo de 1,1% no mesmo período, conforme o IBGE a queda também está diretamente relacionada ao rompimento da barragem da Vale.

Isoladamente, a indústria extrativa mineral – segmento onde atua a Vale – teve queda ainda maior no Espírito Santo, com recuo de 21,1% em relação a 2018. Situação muito sentida na Serra, uma vez que além de abrigar parte das atividades da Vale no Complexo de Tubarão e abrigar trecho final da ferrovia Vitória – Minas por onde vem o minério de ferro extraído em Minas Gerais, o município também tem instalações da ArcelorMittal Tubarão, gigante do aço cuja produção depende do insumo fornecido pela Vale. A unidade da ArcelorMittal reduziu sua produção ao antecipar a paralisação de um dos seus auto-fornos para obras em razão da menor oferta de minério de ferro.

A produção industrial do Espírito Santo já vinha sofrendo desde a paralisação da Samarco (Vale + BHP Billiton) no final de 2015, com o rompimento da barragem da mineradora em Mariana – MG. Apesar do complexo portuário e de pelotização da Samarco ficar em Anchieta, no sul do ES, a Serra foi muito afetada, pois empresas instaladas na cidade eram fornecedoras ou prestavam serviços à Samarco.

Segundo estimativa da Findes, por conta da paralisação, feita no final de 2016, só na Serra deixaram de circular R$ 300 milhões/ano, o que gerou demissão de 350 pessoas. Há expectativa do retorno da Samarco no 2º semestre de 2020, mas com produção reduzida.

Mineradora diz que trabalha para restabelecer estoques

Em nota a Vale informou que sua produção de finos de minério recuou 21,5% e a de pelotas 24,4% ano passado em relação a 2018. Segundo a assessoria de imprensa da mineradora, os números são da produção em todo o país. A empresa disse ainda que trabalha para retomar e estabilizar a sua produção e espera restabelecer seus estoques em 2020. Informa também que as chuvas em Minas Gerais estão impactando a produção e que a epidemia de coronavírus na China também pode ter reflexo na exportação de minério.

Celulose tem declínio ainda mais expressivo

Outro pilar da economia capixaba, a produção de celulose branqueada de eucalipto, também teve forte queda em 2019 e ajudou a derrubar o desempenho da indústria no ES. De acordo com os dados do IBGE, o tombo da produção ano passado foi de 31% em relação a 2018, que também já vinha com desempenho negativo. A única fábrica de celulose do ES fica em Barra do Riacho, Aracruz, e em janeiro do ano passado foi comprada pela Suzano. A empresa já foi Fíbria e, antes disso, se chamava Aracruz Celulose.

Na Serra, a Suzano tem cerca de 5 mil hectares de terra (o equivalente a 9% de todo o território do município), onde mantém eucaliptais em pelo menos metade dessa área.

Comentários

Mais notícias

Moradora de Valparaíso preocupada com aglomeração de pessoas em feira orgânica do bairro

Uma moradora de Valparaíso que não quis se identificar está preocupada com o número de pessoas que se aglomeram nas feiras livres, em especial,...

Supergasbras diz que não vai haver desabastecimento de gás no ES

    Um vídeo tem circulado em redes sociais e grupos de whatsapp desde a noite da última segunda (30). No vídeo, o motorista de caminhão...

Serra deve receber hospital de campanha para pacientes com Covid-19

Com previsão para entrega em 15 dias, a Serra pode ter o seu hospital de campanha, para atendimento às suspeitas e aos infectados com...

PDT nega aproximação com Rodrigo Caldeira

Lideranças do Partido Democrático Trabalhista (PDT) reagiram a matéria publicada no Tempo Novo, nesta segunda-feira (29), dando conta de que o presidente da Câmara...

VOCÊ TAMBÉM PODE LER

CONTEÚDO PATROCINADO

Comentários
CLIQUE AQUI e receba as principais noticias sobre o coronavírus na Serra e no ES pelo seu WhatsApp
error: Não copie! Compartilhe o conteúdo!
Precisa falar com o Tempo Novo? Envie sua mensagem